O Atlético tem um novo problema para se preocupar, além da “batalha” que já enfrenta para fugir da zona do rebaixamento. O clube pode perder o artilheiro Guerrón nos dois últimos jogos do Brasileirão, conta América-MG e Coritiba. A Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) entrou com recurso pedindo três jogos de suspensão ao atacante equatoriano, que foi apenas advertido em seu primeiro julgamento pela expulsão no jogo com o Flamengo, no dia 11 de setembro, quando o Furacão venceu por 2 x 1. Para a procuradoria, a pena foi muito branda e agora quer reaver a situação. O julgamento está marcado para aproxima terça-feira, o que permite a Guerrón enfrentar o Cruzeiro domingo.

No dia 28 de setembro, Guerrón foi julgado com denúncias nos artigos 254 (jogada violenta) e 258 (atitude antidesportiva) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), pelos dois cartões amarelos recebidos que culminaram em sua expulsão, mas acabou absolvido no primeiro e advertido pelo segundo artigo. A defesa de Guerrón mais uma vez ficará a cargo do advogado Domingos Moro, que vai montar sua estratégia em cima da ausência do procurador Wanderlei Rebelo no primeiro julgamento.

“Quando fizemos a sessão na terceira comissão disciplinar, o Guerrón prestou depoimento, depois apresentamos prova de vídeo e o procurador não estava em sessão. Chegou no meio da minha sustentação. Se ele tivesse assistido o vídeo e ouvido o depoimento, talvez não tivesse entrado com recurso”, disse Moro.

Com o plano de ação já definido, o advogado está otimista para o resultado do julgamento. Ele não acredita que Guerrón seja punido no julgamento que acontecerá em Curitiba, durante conferência nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). “É caso até de absolvição, mas não creio que vá ser punido. Que o caso é complicado é, porque é recurso da procuradoria geralmente é provocado pelos clubes quem recorrem. Mas ele pode ter pena maior que da advertência, porém quero acreditar que não terá”, frisou Domingos Moro.

Para o Atlético, não é mais novidade ter “notícias ruins” às vésperas de jogos importantes. Foi assim quando houve divulgação de salários dos atletas, no caso de doping do atacante “Morro” García e nas dispensas de jogadores – primeiro com a saída de Madson e depois Edílson e Rafael Santos.