Com a vitória sobre o russo Nikolay Davydendo por 7/5 e 6/0, Gustavo Kuerten marcou uma nova fase nesta temporada européia de saibro. Pela primeira vez vence dois jogos seguidos nesta série de torneios que começou em Monte Carlo, seguiu para Barcelona e passou também por Roma. O resultado levou Guga a uma conclusão: “Estou novamente com vontade de jogar”, disse. “Meu golpes estão fluindo bem, de bom tamanho, e já posso acreditar em bons resultados.”

Para confirmar este novo momento, Guga busca outro bom resultado hoje no Masters Series de Hamburgo, jogando diante de um “velho freguês”, o sul africano Wayne Ferreira, que já perdeu cinco vezes para o brasileiro e só ganhou uma, justamente a primeira, em Roland Garros de 1996. Depois Kuerten venceu em 97 em Indian Wells, em 99 em Lyon, 2000 em Miami e Hamburgo e Indinápolis. O jogo de hoje será o segundo da quadra central de Rothenbaum e deve começar por volta das 7h30 de Brasília, com transmissão pela SporTV.

Em Hamburgo, com estas duas boas vitórias – 2 a 0 em Juan Ignacio Chela e em Davydenko – Guga entra em quadra mais uma vez como favorito. Na partida diante do russo, mostrou que aprendeu a lição de não desistir e acreditar na vitória até o fim. Teve um primeiro set complicado, com muitas quebras de serviço. Saiu em desvantagem e esteve perto de ficar com 3 a 0 abaixo.

Mas reagiu de forma brilhante, num dia de muito frio, com temperatura por volta dos oito graus centígrados.

“Mesmo perdendo continuei acreditando no meu jogo. Sabia que era uma questão de tempo para acertar os meus golpes”, avisou Guga. “Daqui para frente vai ser assim: vou impor o meu jogo. Acho que chegou o meu momento.”

A boa perspectiva é justificada pelas atuações de Guga em Hamburgo. Sua vitória não foi só na quadra, mas também no aspecto mental. Está bem mais positivo e seguro de suas ações. O próprio técnico Larri Passos, inquieto durante a partida, fazia sinais para seu pupilo e ao término do jogo mostrou que a boa atitude e a força mental são fundamentais para dar a volta por cima diante de uma temporada bem mais difícil do que esperava. “Foi um jogo muito importante e o principal foi o Guga ter mantido o ritmo. A força mental contou muito e o trabalho que temos feito está dando resultado”, disse. “A atitude do Guga está diferente estes dias. Se esse jogo tivesse sido há uma semana, provavelmente teria perdido.”

Também concordou com este novo momento e reconheceu que a situação melhorou. “Neste período que estou na Europa treinei muito mais horas do que joguei”, constatou o tenista. “Agora passei a acreditar mais no meu jogo e uma vitória sempre traz tranqüilidade e alegria.”

Nas duplas, por pouco Guga não comemora outra vitória. Jogando ao lado de Tim Henman, seu jogo foi suspenso no segundo set, por falta de luz natural, com empate de 1 a 1.