Disputar grandes competições com dores é algo que não impede o judoca Leandro Guilheiro de obter resultados expressivos. Há três anos, na Olimpíada de Atenas, foi medalha de bronze sofrendo com lesões no quadril e na mão que o levaram, em seguida, a uma cirurgia. Sábado, entra no tatame da Arena Olímpica do Rio para o Mundial de Judô com uma hérnia de disco. "Estou tão focado que isso não vai me atrapalhar. Nunca me senti tão bem para uma competição", garantiu o peso leve, de 24 anos.

Leandro precisou adequar os exercícios de musculação. "Eu não tinha condições de fazer agachamento com 130 quilos. Então, adaptei os aparelhos para utilizar as máquinas com o mesmo movimento das lutas. Deu tão certo que acho que vou seguir treinando dessa forma", disse o judoca, que está um quilo acima do limite da categoria (73 quilos). ‘Essa diferença a gente perde dormindo.

Medalha de prata no Pan do Rio, Leandro acredita que estará melhor no Mundial, que começa hoje e vai até domingo. "No judô, a mente é muito importante e me sinto muito forte mentalmente", disse o lutador, natural de Santos, que terá 71 concorrentes. "Minha categoria só perde para a dos meio-médios, do Tiago Camilo, que tem 73 inscritos. Ele deverá fazer seis lutas.

Para ficar com a vaga olímpica, Leandro terá de chegar à final do Mundial. Caso termine em até 5º lugar, enfrentará processo de seleção com outro judoca brasileiro. "No início de 2008, vamos para a Europa disputar torneios diferentes. Os resultados serão analisados e, quem se der melhor, vai para Pequim.

O Mundial começa amanhã, às 11 horas (SporTV), com a disputa das categorias dos pesados e meio-pesados.