O técnico holandês Guus Hiddink descartou neste sábado a possibilidade de assumir o comando da seleção da Costa do Marfim para a disputa da Copa do Mundo na África do Sul. Segundo ele, esse acordo atrapalharia o seu compromisso atual, com a Rússia, e o futuro, com a Turquia.

Integrante do grupo do Brasil na Copa, a Costa do Marfim está sem treinador desde o final de fevereiro, quando demitiu o bósnio Vahid Halilhodzic pela fraca campanha na Copa Africana de Nações, disputada em janeiro. E Hiddink logo surgiu como um dos favoritos para ocupar o cargo.

Mas, em sua coluna no jornal holandês De Telegraaf, publicada neste sábado, Hiddink descarta a chance de assumir a Costa do Marfim na Copa. Ele tem contrato até julho com a seleção russa, que não vai ao Mundial, e já acertou sua ida em agosto para a Turquia, que também não estará na África do Sul.

“Se eu assinar com a Costa do Marfim, perderia alguns compromissos (com a Rússia e a Turquia) e, para falar a verdade, não penso que seja algo que eu possa fazer”, escreveu Hiddink. Assim, o francês Philippe Trousier passa a ser o único forte candidato ao cargo de técnico da seleção marfinense.