A partida das 19h30 contra a Portuguesa e as seguintes no Campeonato Brasileiro da Série B podem ganhar um ingrediente especial. O meia Lúcio Flávio pode estar fazendo a sua despedida do Paraná Clube ao final da temporada. Com contrato encerrando, um dos ídolos do clube deve fazer as suas últimas apresentações com a camisa tricolor pela Segundona e procurar outros rumos na carreira.

Aos 35 anos, Lúcio Flávio ajudou bastante o Tricolor em 2014. Dentro de campo, liderou o time em vários jogos e mostrou ser capaz de jogar grande parte das competições, em alto nível. Fora dos gramados, sempre esteve na linha de frente para cobrar melhor estrutura de trabalho, salários atrasados e defendeu a transparência em temas ligados ao futebol, como o Bom Senso.

“Em função de estar acabando o meu contrato, podem ser sim os últimos jogos. Não é uma situação que penso, mas este fator pode até motivar para as próximas partidas”, disse Lúcio Flávio.

A diretoria ainda não procurou o jogador para conversar sobre a renovação de contrato. A ideia é tratar das questões da Segundona e depois analisar o caso. “O clube passa por dificuldades e, desde que retornei, o Paraná atravessa o momento mais difícil financeiramente. Infelizmente, quando se passa por estas situações, não se fala em renovação e acerto. Temos que aguardar e continuar trabalhando para depois avaliar o futuro”, relatou o camisa 10.

Quanto a encerrar a carreira, Lúcio Flávio descarta esta possibilidade e acredita que ainda tem força para encarar outras temporadas. “Dá para correr e pretendo jogar por mais algum tempo”, concluiu o jogador, que quase deixou o Paraná para jogar no Atlético, no começo deste mês.

Carreira

Lúcio Flávio jogou 286 partidas no Paraná e marcou 64 gols no profissional. É o terceiro maior artilheiro da história do clube. Ele começou a carreira na base tricolor, tendo as primeiras chances no time principal a partir de 1998. Depois de empréstimos para Internacional e Coritiba, ele foi negociado com o São Paulo. Após o time paulista, Lúcio jogou em Atlético-MG, São Caetano, Al-Ahli (Arábia Saudita), Botafogo (em duas oportunidades), Santos, Atlas (México) e Vitória. Em 2012, o camisa 10 voltou ao Tricolor.