“‪A pequena área perdeu um dos seus professores”. Foi com esta frase que o Santos, em seu perfil no Facebook, anunciou o falecimento do atacante Coutinho, que marcou época ao lado de Pelé, quando o Peixe se tornou imbatível. O ex-jogador também foi campeão mundial pela seleção brasileira em 1962.

Ele tinha 75 anos e padecia de diabetes. Em janeiro, foi internado por conta de uma pneumonia e ficou com a saúde ainda mais debilitada.

Natural de Piracicaba, Coutinho chegou ao Santos com 14 anos, levado pelo técnico Lula. Com um domínio de bola impressionante e grande poder de finalização, logo ganhou a posição de centroavante do time, em substituição a Pagão, outro grande craque do time da Vila Belmiro.

Foi o companheiro ideal de Pelé. Diz a lenda que Coutinho passou a usar uma faixa branca no punho direito para diferenciar do camisa 10 e passar a ter também os elogios pelas lindas jogadas que realiza em campo. Para muitos, Coutinho tinha mais visão de jogo que Pelé na hora de finalizar, o que lhe valeu o apelido de “gênio da pequena área”.

As tabelas Pelé-Coutinho ficaram marcadas, inclusive de cabeça. Juntos, os dois lideraram o Santos na conquista de seis títulos paulistas (1960, 1961, 1962, 1964, 1965 e 1967), quatro Torneios Rio-São Paulo (1959, 1963, 1964 e 1966), cinco Taças Brasil (1961, 1962, 1963, 1964 e 1965), duas Libertadores (1962 e 1963) e dois Mundiais de Clubes (1962 e 1963), além de inúmeras exibições por todo o mundo. Foram 457 jogos e 370 gols.

Pela seleção brasileira, Coutinho foi convocado para a Copa do Mundo do Chile, em 1962, mas não chegou a atuar por causa de uma lesão, deixando o protagonismo para Vavá e Amarildo.

Uma de suas principais marcas foi ter enfrentado o Corinthians por 12 anos e jamais ter sido derrotado. Com tendência a engordar, sofreu com lesões e teve encerrar a carreira precocemente, aos 30 anos.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!