A Fórmula Indy estréia no fim de semana, durante a segunda etapa da temporada, em São Petersburgo (EUA), um novo sistema de treino de classificação, baseado no que a Fórmula 1 utiliza desde 2006. A regra valerá para as cinco etapas disputadas em circuitos mistos ou de rua – além de São Petersburgo, há Watkins Glen, Mid-Ohio, Infineon e Belle Isle no calendário.

Na primeira fase do treino, os pilotos serão divididos em dois grupos, que treinarão separados durante 20 minutos. Os seis primeiros colocados em cada um dos grupos passam à etapa seguinte da sessão classificatória. Os demais, de acordo com os tempos obtidos, ocupam as posições entre o 13º lugar e o fim do grid.

Os dois qualificados para a segunda fase têm os tempos zerados e começam uma nova sessão, de 15 minutos. Os seis mais rápidos passam para a disputa pela pole, enquanto os demais ocupam entre o sétimo e o 12º posto.

A disputa pelas seis primeiras posições no grid terá 10 minutos de duração. Todos os pilotos entram em igualdade de condições, com os tempos das fases anteriores zerados. Nos circuitos ovais, continua a ser usado o sistema de voltas com um carro por vez na pista, usado na etapa de Miami, abertura do campeonato.