Classificados às quartas de final do Paranaense, FC Cascavel, Cianorte, Londrina, Operário e Rio Branco estudam como minimizar o impacto da paralisação do campeonato. Os jogos do mata-mata, que começariam a ser disputados neste fim de semana, foram suspensos por tempo indeterminado pela Federação Paranaense de Futebol (FPF) por causa da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o presidente do conselho gestor do Fantasma, Álvaro Góes, é evidente que as equipes menores vão sofrer mais com a parada.

“Os times do interior vivem de renda, vendas de bilhetes. Não tendo campeonato, como que se sustentam esses jogadores lá?”, questionou o dirigente.

“As empresas que tiverem dificuldade vão pedir para parar seu patrocínio, pedir uma prorrogação. O próprio sócio-torcedor talvez deixe de pagar, pode perder o emprego por causa dessa situação. Vamos ter problemas, mas precisamos administrar isso”, completou Álvaro, que garantiu que o Operário está estruturado para aguentar até três meses sem maiores problemas, já que conta com calendário, diversos patrocinadores e verba de televisão da Série B.

Operário tem a quarta melhor média de público do Estadual, com 3.332 pagantes por partida. Foto: Danilo Schleder/Foto Digital/Tribuna do Paraná

Adversário do Fantasma no mata-mata, por outro lado, o Cianorte não tem outra disputa na temporada além do Paranaense. Assim, a diretoria do Leão do Vale do Ivaí vai analisar os próximos passos somente depois de definir como proceder com as orientações aos atletas. Por enquanto, não há previsão para o retorno à normalidade.

“Não estamos pensando na parte financeira ainda, mas cada mês aberto custa mais de R$ 200 mil ao clube”, resumiu o presidente Lucas Franzato, que defendia partidas com portões fechados enquanto não houvesse casos em atletas.

O grande problema para os clubes que não têm calendário para o segundo semestre é em relação aos contratos do elenco. A maior parte vai até o início de abril, para quando o término do Estadual estava programado.

+ Podcast De Letra: O efeito coronavírus no futebol

“Temos que ver o posicionamento da FPF sobre isso, se vai acontecer uma prorrogação automática pelo período que for paralisado, se a CBF vai ajudar. É algo prematuro para responder”, indicou o presidente do Rio Branco, Itamar Bill. O Leão da Estradinha vai parar todas as atividades por pelo menos 15 dias.

FC Cascavel ainda tem a Série D pra jogar em 2020. Calendário cheio pode ajudar o clube. Foto: Fabio Conterno/Foto Digital/Tribuna do Paraná

O presidente do FC Cascavel, Valdinei Silva, mantém a opinião dos demais dirigentes. “Clube de futebol depende de patrocínios, bilheterias, venda de souvenires…Essa situação é nova, onde tudo está parando, as receitas tendem a reduzir, até aqui temos a situação sob controle. Vamos aguardar a evolução dos fatos para irmos adaptando a realidade do clube e nova realidade do mercado”, analisou.

TABELA: Confira os jogos do mata-mata do Estadual

A reportagem tentou contato, sem sucesso, com o presidente da FPF, Hélio Cury. O dirigente está no Rio de Janeiro nesta terça-feira (17), participando de congresso da CBF. Representantes do Londrina também não responderam aos questionamentos até o momento da publicação.

+ Mais notícias do futebol paranaense

+ Rio Branco dispensa Tcheco e jogadores durante paralisação
+ Dupla Atletiba investe no futebol feminino, mas de formas diferentes
+ Cristian Toledo: Eu admito que errei na comparação com Rubinho