O Comitê Olímpico Iraquiano anunciou nesta segunda-feira a dissolução da federação de futebol do país, sob alegação de irregularidades administrativas. Por causa da medida, as seleções iraquianas podem ser punidas pela Fifa, que não aceita intervenção nas federações nacionais.

De acordo com Samir al-Moussawi, membro da direção executiva do comitê olímpico local, todos os integrantes da federação de futebol foram dispensados, acusados de adiar repetidamente as eleições para a escolha de uma nova direção da entidade.

“Tivemos várias reuniões com eles, e esperávamos chegar a um acordo, mas não tivemos resposta. Quando tomamos esta decisão, tínhamos em mente todas as possíveis punições ou suspensões, mas estamos trabalhando para sair desta situação”, explicou Samir al-Moussawi.

O chefe da federação de futebol, Najih Hamoud, não aceitou a decisão por ela ser ofensiva às determinações da Fifa. “Não existe legitimidade nesse tipo de ação, e o comitê olímpico não está autorizado a tomar esse tipo de medida”, disse.

Esta não é a primeira vez que os iraquianos têm problemas com a Fifa. No ano passado, a federação do país foi suspensa porque houve interferência do governo no comitê olímpico nacional.

Depois de solucionada aquela questão, a entidade máxima do futebol deu um prazo até 30 de abril de 2010 para que fosse convocada uma eleição e aprovado um novo estatuto na federação iraquiana. Na época, a Fifa disse que não poderia haver interferência externa no processo. A intervenção do comitê olímpico infringe tal condição, e pode acarretar punições severas às seleções iraquianas.