Valquir Aureliano
Após sete anos no México, meia volta para defender o Furacão.

O tempero mineiro tem dado certo no Furacão. Em 2007 o time ganhou forma e evoluiu no Brasileiro após a chegada do técnico Ney Franco, natural de Vargem Alegre (MG). Também foi um mineiro, de Belo Horizonte, o artilheiro rubro-negro na temporada. Alex balançou as redes dos adversários por trinta vezes.

Com tão boa sintonia entre Atlético e Minas Gerais, o clube paranaense não pensou duas vezes na hora de contratar o jogador para suprir a perda de Alex. Foi buscar mais um mineiro. Desta vez, o homem para dar experiência e acertar o meio-campo da equipe.

Irênio José Soares Filho, 32 anos, era um sonho e que somente agora pôde ser realizado. O jogador teve boas passagens no futebol nacional (América-MG; Galo mineiro e Portuguesa-SP) e transferiu-se para o México em 2000. Permaneceu por sete temporadas e, no final do ano passado, acertou com o Furacão, após encerrar contrato com o Vera Cruz.

A vinda para o time paranaense foi facilitada pela vontade do atleta de regressar ao Brasil e, principalmente, pelas boas referências que recebeu de dois ex-atleticanos: Alex Mineiro, atualmente no Palmeiras, e o ?Incendiário da Baixada? Kleber, com quem jogou no México. ?Eles sempre falaram coisas boas da cidade e do clube. Isso pesou bastante na minha decisão?, afirma.

Irênio ainda está organizando a vida em Curitiba. Para o Paraná-Online ele conta que provisoriamente está residindo no CT do Caju e está à procura de uma moradia (casa ou apartamento) para se instalar e buscar sua família. Devem vir a esposa, o filho e uma irmã.

De fala mansa, aparência pacata e com a cabeça raspada, assim como seu conterrâneo Alex Mineiro, Irênio foi apresentado na última quinta-feira como o principal reforço para as competições do 1.º semestre. Assim como todo o grupo, está trabalhando para readquirir melhor forma física. Sua última apresentação foi em 9 de novembro de 2007, pelo campeonato mexicano.

Sobre o processo de adaptação, o mineiro de Carangola acredita que não terá problemas e que a vontade de voltar a atuar no Brasil compensará a falta de condicionamento no começo da temporada. ?O futebol no México é diferente. É muito rápido, dinâmico. O futebol brasileiro é mais técnico. Com tempo vou entrar no ritmo?, afirma.

Irênio diz estar preparado para assumir a responsabilidade de ser o organizador do meio-campo e que a experiência ajuda bastante. ?Responsabilidade sempre tem que ter, seja no futebol ou qualquer outra área. Tem que assumir (a missão) e fazer o melhor possível. Vou procurar ajudar dentro de campo e fora dele também, conversando com os mais jovens?, finaliza.

O reforço atleticano confessou que se sente mais À vontade atuando como ?jogador de chegada? e que no México seu posicionamento era de terceiro atacante e também de volante.