Jadson chegou ao São Paulo no início do ano com pompa e a responsabilidade de ser, dentro de campo, o fio condutor de uma equipe carente de meias-armadores. Um início claudicante, onde não conseguia entrar em forma, o que rendeu até um afastamento para adquirir condicionamento físico, atrapalharam o camisa 10. Mas agora ele se diz mais confortável. Ainda mais quando Emerson Leão escala o time com três atacantes, o que deve acontecer amanhã, contra o Inter.

“Gosto de jogar nessa formação, com dois pontas. O Fernandinho e o Osvaldo têm consciência de que vão ajudar na marcação. Agora é só colocar isso no jogo”, disse Jadson, deixando claro que o fato de ter mais opções na hora de distribuir a bola facilitam o seu trabalho na hora de armar jogadas ofensivas.

Mas ele fez a ressalva de que mesmo com três atacantes, é necessário que todos ajudem na marcação. “Sempre ajudei na marcação. Não sou marcador, mas sempre tentei ajudar um pouco. Vou tentar ajudar o Denilson e o Cícero”, resumiu.
Jadson também enfatizou o fato de o São Paulo estar, na sua opinião, jogando melhor agora do que no começo do ano. “O São Paulo já cresceu bastante, e é claro que tem que crescer mais. O entrosamento dentro de campo melhorou. Temos um grande elenco e temos tudo para dar alegrias à torcida.”

Por fim, ele enalteceu o período de dez dias só com treinos, sem nenhuma partida, e no quanto isso é importante a esta altura da temporada.
“Foram dez longos dias. Quando você tem um jogo atrás do outro é melhor. Mas treinamos bem, preparamos o time para fazer uma boa partida. O jogo dá ritmo, mas nos treinamentos você aprimora algumas coisas e fizemos isso nestes dias”, finalizou.