Uma semana depois do Mundial de Revezamentos de Nassau (Bahamas), a temporada de grandes marcas no atletismo começou. No sábado à noite, em Kingston (Jamaica), a barreira dos 10 segundos nos 100 metros foi quebrada pela primeira vez no ano, por três atletas.

Ex-recordista mundial da prova, Asafa Powell venceu com 9s84, mostrando que voltou à velha forma após ficar 18 meses afastado das competições por doping – o jamaicano só retornou às pitas em julho do ano passado.

Desde os Jogos Olímpicos de Londres-2012, só quatro atletas tiveram marcas melhores que os 9s84 de Powell: os jamaicanos Usain Bolt (duas vezes em 2013) e Yohan Blake (duas vezes em 2012), o norte-americano Justin Gatlin (quatro vezes em 2014) e Richard Thompson, de Trinidad & Tobago, que fez um surpreendente 9s82 ano passado.

No Jamaica International Invitational deste sábado, Powell foi seguido pelo norte-americano Ryan Bailey (9s93) e pelo também jamaicano Nesta Carter (9s98). No feminino, só Elaine Thompson, atleta da casa, quebrou a barreira dos 11 segundos, com 10s97.

CUBANO VOA – Com apenas 21 anos, Pedro Pablo Pichardo fez o 10.º melhor salto triplo de todos os tempos, também no sábado, em Havana. O garoto cubano saltou 17,94 metros para quebrar o recorde nacional que pertencia a Yoelbi Quesada. A antiga melhor marca de Cuba, de 17,85m, valeu o título mundial de 1997.

Como cinco dos 10 melhores saltos de todos os tempos são do britânico Jonathan Edwards, Pichardo assumiu o sexto lugar do ranking mundial histórico do salto triplo. Jadel Gregório, que tem como recorde pessoal e sul-americano 17,90, é agora o nono da lista. Edwards é o recordista mundial: 18,29m, salto que realizou em 1995. Mas só cinco saltos na história passaram dos 18 metros.