Valquir Aureliano
Rafael Muçamba destaca
que, domingo, tem outra
pedreira pela frente.

Restando quatro rodadas para o término do 1.º turno, o Paraná Clube já superou a meta inicialmente traçada pelo técnico Lori Sandri. Enquanto curtem a terceira colocação do Brasileiro, os jogadores não mudam o discurso e evitam o ?oba-oba?, que já toma conta da torcida paranista. Uma euforia justificada, diante dos números altamente positivos que a equipe apresenta após dezessete rodadas realizadas.

?Ficamos felizes por dar esta alegria ao torcedor. Mas, aqui, o clima é de seriedade?, comentou o volante Rafael Muçamba. ?Como tenho dito, no domingo já temos mais um caminhão de brita para descarregar?, disparou. O Tricolor faz em Maringá, frente ao Santos, mais um ?jogo de seis pontos?, tentando se manter na zona de classificação à Libertadores. A boa colocação é reflexo de uma campanha equilibrada e capitaneada por Lori Sandri.

O treinador teve papel importante na armação de um time formado às vésperas da largada do Brasileiro. Sabendo que teria período de turbulências, Lori sempre afirmou que ficaria satisfeito se virasse o turno com 30 pontos. ?Como o grupo superou as expectativas, é hora de traçar novos planos, mas sempre com os pés no chão?, disse o treinador assim que a partida frente ao Botafogo terminou. Para seguir ?comendo pelas beiradas?, o objetivo, agora, é chegar aos 48 pontos o quanto antes.

Esta é, nas projeções da comissão técnica, a pontuação necessária para que o clube garanta participação na Série A do ano que vem. Se mantiver o aproveitamento atual (60,78%), a nova meta poderá ser alcançada na sexta rodada do returno. ?Aí sim, vamos pensar em classificação para Sul-Americana ou Libertadores. Por enquanto, a competição está muito equilibrada. Se você perde três ou quatro jogos, despenca da tabela?, alertou.

O discurso aparentemente pessimista mostra a forma equilibrada com que Lori Sandri vem conduzindo o grupo, ?fechado? na busca por uma posição de destaque. Sem desespero na derrota, mas sem euforia na vitória, o Paraná segue em ascensão e nas últimas nove rodadas obteve sete vitórias. É o clube há mais tempo sem perder na competição – cinco rodadas – e continua com a defesa menos vazada do Brasileiro, com apenas 17 gols sofridos.

?O bom momento é apenas uma conseqüência. O nosso grupo faz do conjunto a sua força. E me refiro a todo o elenco, pois sabemos de nossas limitações e não há vaidade?, comentou o capitão Beto. Para Beto, o desafio do Tricolor, agora, é manter o foco, sempre visando a aproximação dos líderes. ?Temos que transformar o bom momento em confiança, não em relaxamento.?

STJD pode desfalcar o Tricolor pra domingo

O Tricolor corre o risco de ficar sem três titulares para o jogo de domingo – às 16h, no Willie Davids -, frente ao Santos. O zagueiro Aderaldo, o lateral-direito Neto e o atacante André Dias serão julgados hoje à tarde, no Rio de Janeiro. O advogado Domingos Moro representará os atletas, que desta vez não irão participar da sessão. A 4.ª Comissão Disciplinar do STJD é quem analisará os casos, sendo que Aderaldo e André Dias podem pegar pena de dois a seis jogos de suspensão.

?O primeiro passo é mostrar os vídeos dos lances. Depois, tentar uma desqualificação de artigo, com punições mais brandas?, comentou Domingos Moro, já no Rio de Janeiro. Aderaldo foi expulso no jogo frente ao Corinthians (após receber dois cartões amarelos) e vai para o seu terceiro julgamento na mesma comissão. ?Só que ele foi inocentado anteriormente e por isso é primário?, explicou Moro. Já Neto e André Dias receberam cartão vermelho no clássico frente ao Atlético.

O lateral (artigo 255) será julgado por ter revidado a uma agressão de Dennys Richard -ato de hostilidade – e pode pegar de um a três jogos ?de gancho?. A questão envolvendo André Dias é a que desperta atenção. Ele recebeu cartão vermelho por ter dado um ?carrinho? em André Rocha. ?É o primeiro caso analisado por esta questão desde a aplicação da nova regra?, comentou Domingos Moro. Incluso no artigo 254 do CBJD, o atacante pode ser suspenso de duas a seis partidas.

Além do julgamento, Lori Sandri dependerá da avaliação do departamento médico, sendo que André Dias é o que mais preocupa. Ele voltou a reclamar de dores na coxa direita e passou a quinta-feira em tratamento. ?Ele tem uma tendinite crônica no local. Está medicado e em repouso. Vamos ver como o André reage?, disse o médico Milton Nagai. Outro jogador que passou pelo D.M. foi o meia Thiago Neves, com uma torção de tornozelo. ?Foi uma lesão leve e não preocupa?, avisou Nagai.