A terceira rodada do Torneio Clausura uruguaio que seria disputada neste meio de semana foi suspensa pelos jogadores por conta das dívidas dos clubes. Além disso, o sindicato dos atletas ameaça decretar greve por tempo indeterminado a partir de sexta-feira caso a situação não seja resolvida.

A paralisação pode afetar a participação de Defensor e do Nacional na Copa Libertadores, que vão jogar na competição sul-americana nos dias 18 e 19 de março, respectivamente. “Não podemos deixa passar essa situação”, disse Enrique Saravia, presidente da União dos Jogadores.

“Queremos o melhor para o futebol. É lamentável tomar uma decisão destas, mas as circunstâncias nos obrigam. Não se respeitou aos colegas a quem se deve há muito tempo. Sempre se espera até o último momento para colocar os salários em dia e alguns nem chegam a pagar o que devem”, completou.

O Torneio Clausura, iniciado há duas semanas, começou sob polêmica já que a Associação Uruguaia de Futebol decidiu retirar o Villa Española da competição por conta de suas dívidas. O Apertura, encerrado apenas em 2009, foi interrompido duas vezes por conta da violência das torcidas.

O Uruguai já foi umas das potências do futebol mundial, tendo conquistado dois mundiais (1930 e 1950), além de dois títulos da modalidade nos Jogos Olímpicos (1924 e 1928). No entanto, tem enfrentado dificuldade para se classificar para a Copa do Mundo – a última que disputou foi em 2002.

Os principais clubes, como Nacional e Peñarol, que já dominaram o futebol sul-americano, se enfraqueceram nos últimos anos com a saída precoce de seus principais jogadores e costumam ficar fora das fases decisivas de competições como a Copa Libertadores