As acusações do presidente do Rio Branco, Leandro Ribeiro, sobre uma possível manipulação de resultados que teria sido orquestrada pelo jogador Thiaguinho gerou repercussão imediata. Enquanto o atleta aguarda o posicionamento de seu advogado para se pronunciar, colegas de clube saíram em sua defesa.

Entenda o caso do Rio Branco!

O atacante Rodrigo Jesus relatou que, de fato, houve um telefonema de uma pessoa desconhecida que usou o contato de Thiaguinho para tentar “comprar” quatro jogadores. “Ofereceram R$5 mil pra mim. Neguei na hora e o Flaysmar, que estava junto comigo, também negou. Acredito que em função da nossa negativa, desistiram de procurar os outros atletas. O Thiaguinho nem estava jogando e só foi usado como ponte”, explicou. Na goleada por 4×1 diante do Londrina, foi de Jesus o único gol do time parnanguara.

O jogador acrescentou que, diferentemente do que o presidente do clube afirmou, a tentativa de compra do resultado ocorreu apenas na última partida contra o Londrina. “Acredito que pelo fato de ameaçarmos não entrar em campo por falta de pagamento de salários, esta pessoa viu uma possibilidade de querer manipular o jogo, não levando em conta que aqui há profissionais honestos”.

Para Jesus, a diretoria do time de Paranaguá usou o episódio para tentar justificar a má campanha da equipe no segundo turno para os torcedores e para a cidade. “Eles malandramente usaram esta tentativa, que chegou até eles, para explicar a queda de produção do time”.

Sem salários

O atacante aproveitou a entrevista concedida à Tribuna do Paraná para afirmar que os jogadores seguem a quase dois meses sem receber e que nem mesmo a premiação pela permanência na primeira divisão foi paga. “Foi prometido R$ 20 mil a cada atleta caso o time não caísse. Não caímos, mas a diretoria sumiu do estádio na hora de acertar”.

Desiludido, Jesus já voltou para São Paulo, sua cidade de origem e diz que nem mesmo a rescisão conseguiu adiantar. “Vou esperar o fim do contrato, no dia 8 de abril, para tentar receber”, finalizou.