A diretoria do Paraná confirmou que não irá transferir o jogo com seu mando contra o Vasco da Gama para Brasília. Segundo a direção, o valor do cachê para vender a partida foi baixo e não valeria a pena jogar longe da Vila Capanema. A partida está confirmada para o dia 31, sexta-feira da semana que vem, às 21h50.

Chegou a especular o valor de R$ 800 mil, dinheiro superior ao arrecadado nos quinze jogos na Série B. Se realmente fosse esta grana, o negócio seria fechado. “Em função das propostas apresentadas não terem sido interessantes, muito abaixo do que tem sido publicado. E em respeito ao nosso torcedor, o jogo será em Curitiba”, disse Celso Bittencourt, vice-presidente de futebol do Paraná Clube. Pesou possivelmente para os promotores (a Federação Brasiliense de Futebol e, por extensão, o governo do Distrito Federal) o fato de a partida não ser realizada no sábado à tarde, com transmissão de TV e maior potencial de presença de público no palco usado na Copa do Mundo.

A decisão de não jogar no Mané Garrincha deixou o elenco preocupado com a questão financeira. Sem receber a três meses, o grupo imaginava a entrada de um dinheiro para aliviar um pouco este problema. “É melhor jogar em casa, ser o mandante de fato do jogo. Agora, pelo que o clube vem atravessando, principalmente nesta questão financeira, se isso viesse para colocar um pouco mais a casa em ordem, eu acho que seria bem-vindo”, ressaltou Lúcio Flávio. (