Uma semana depois de denunciar um suposto esquema que escondeu resultados positivos de doping dos vencedores de 146 medalhas de Mundiais e Jogos Olímpicos, o jornal britânico The Sunday Times ampliou a abrangência da sua denúncia. Neste domingo, trouxe a informação de que 34 vencedores de ‘grandes maratonas’ entre 2001 e 2012 poderiam ter sido punidos por suspeita de doping.

Berlim, Boston, Chicago, Londres, Nova York e Tóquio compõem o seleto hall das grandes maratonas. De acordo com o levantamento do Sunday Times, sete de 24 campeões da Maratona de Londres eram atletas que em algum momento da carreira apresentaram resultados anômalos em seus exames antidoping. O jornal não cita nomes.

De acordo com a reportagem, os organizadores das maratonas não teriam conhecimento do fato, uma vez que eles pagam pelos exames antidoping, mas é a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) que analisa os resultados. Em nota, a Maratona de Londres se declarou “muito preocupada” com as denúncias trazidas pelo jornal.

No fim de semana passado, o Sunday Times e canal de TV alemão ARD revelaram ter tido acesso ao resultado de 12 mil testes de sangue de 5 mil atletas ao longo de uma década. As informações foram tiradas do banco de dados da própria IAAF e vazadas por uma fonte não identificada.

Os documentos levantam suspeitas sobre um terço das medalhas conquistadas em provas de resistência em Mundiais e Jogos Olímpicos disputados em uma década. De acordo com a análise, 800 atletas, competindo dos 800 metros à maratona, registraram testes de sangue com resultados suspeitos ou abaixo dos padrões da Agência Mundial Antidoping (Wada).

O documentário ‘Doping Ultrassecreto: O Sombrio Mundo do Atletismo’, do canal ARD, mostra ainda que 146 medalhas de Mundiais e Jogos Olímpicos, sendo 55 de ouro, foram conquistadas por atletas que apresentaram estes resultados suspeitos nos testes. Nenhum deles perdeu as medalhas em eventuais provas antidoping.