Paris – O empresário português Manuel Barbosa e o atacante brasileiro Christian, ex-Grêmio e Palmeiras, são os dois nomes mais visados pelas investigações da justiça francesa sobre transferências irregulares promovidas pela direção do Paris Saint-Germain.

Uma lista com mais de trinta nomes, inclusive o de Ronaldinho Gaúcho, está sendo examinada, mas o juiz Renaud Van Ruymbecke parece se interessar agora pela suspeita de irregularidades ocorridas na compra e venda de Christian, intermediada por Manuel Barbosa, já condenado anteriormente na França.

Atualmente radicado no Brasil, Manuel Barbosa não tem respondido às convocações para depor na França. Ele era figura fácil dos meios futebolísticos parisienses, mas desapareceu de circulação.

Manuel Barbosa foi também o empresário que concluiu as negociações para as transferências, no passado, de Raí e Valdo para o futebol francês, dois jogadores que tiveram uma influência grande nos resultados do PSG nesse período.

A negociação para a transferência de Christian começou com um pagamento, no dia 9 de julho de 1999, de US$ 2,1 milhões e, posteriormente, de mais US$ 6 milhões, através do diretor-financeiro do PSG, Jean Luc Lamarche.

Todos esses pagamentos foram feitos sem nenhuma fatura e um terceiro ainda foi realizado numa conta aberta na Ilha da Madeira, através da empresa IOA, registrada nas Ilhas Virgens britânicas, um outro paraíso fiscal.

O próprio Manuel Barbosa chegou a explicar em entrevista à revista France Football, em outubro de 2000, a forma como trabalhava: "Eu compro pessoalmente os direitos esportivos dos jogadores. No caso de Christian, comprei os direitos quando ele tinha apenas 17 anos, aproveitando que seu clube estava enfrentando dificuldades financeiras."

Mas a venda para Manuel Barbosa foi contestada pela direção do Internacional, que alegou ter adquirido os direitos esportivos do jogador. Assim, a negociação para o PSG foi atrasada e Christian só pôde se apresentar depois do clube francês ter pago uma indenização negociada com o Inter.

Curiosamente, no dia seguinte, o PSG pagou mais 3 milhões de francos ao empresário Manuel Barbosa, aumentando o imbroglio que, agora, a justiça francesa está disposta a esclarecer, através de uma investigação.

Também a transferência de outros jogadores brasileiros, como a do zagueiro César, por

US$ 2 milhões e a do próprio Christian para o Bordeaux, em 2001, por 78 milhões de francos, estão sendo investigadas.