Roma – A Juventus conquistou ontem seu 29.º título do Campeonato Italiano. A equipe venceu o Reggina por 2 a 0, fora de casa, e superou o vice Milan em três pontos. Mas a disputa pelo troféu deve ir parar longe dos gramados.

Por conta das denúncias de influência da Juventus em relação à escalação de árbitros em algumas partidas, o título será definido nos tribunais. E, dependendo do veredito, a equipe de Turim pode até ser rebaixada.

O escândalo das arbitragens fez com que a Juventus passasse a ser investigada e, por conta disso, todo o conselho administrativo do clube pediu demissão. O principal acusado é o diretor-geral Luciano Moggi.

?A partir de agora, o mundo do futebol não é mais meu mundo. Penso somente em me defender de todas estas acusações maliciosas que estão falando sobre mim?, disse Moggi.

Mas a situação é bastante complicada. Promotores públicos estão investigando o caso, que compromete 41 pessoas, e têm como trunfo gravações de ligações telefônicas de Moggi aos altos escalões da Federação Italiana de Futebol. Nas conversas, o dirigente da Juventus discute a escalação de juízes e fala da pressão na arbitragem.

?É difícil fazer uma avaliação quando se disputa um campeonato previamente arranjado?, reclamou Roberto Mancini, técnico da Inter de Milão, que terminou em terceiro lugar na competição. ?É um assunto muito sério. Acho que o mais sério que eu já ouvi em toda a história do futebol mundial.?

O Milan também está reclamando. O proprietário do clube, Silvio Berlusconi, disse que tanto o título desta temporada como o da temporada passada deveriam ir para o Milan, já que o clube foi vice-campeão em ambas. Mas o técnico Fabio Capello, da Juventus, não quer saber da polêmica. ?Estamos orgulhosos. Saímos de cabeça erguida e merecemos este título?, concluiu.