Rio de Janeiro – Os nadadores brasileiros Kaio Márcio Almeida, Poliana Okimoto, Armando Negreiros, Conrado Chede Jorge Azevedo e Gustavo Girotto iniciam hoje a disputa da quarta etapa da Copa do Mundo de natação em piscina curta (25 metros), em Estocolmo, Suécia.

O paraibano Kaio Márcio, que já soma seis medalhas de ouro na competição – conquistadas nas etapas de Sydney (AUS) e de Daejeon (COR), nos 50m, 100m e 200m borboleta – vai se concentrar apenas nos 50m borboleta.

?Vi que estou com o primeiro tempo de entrada nos 50m e nos 100m e o segundo tempo nos 200m borboleta. Estou começando a entrar em forma outra vez depois da pausa do final do ano. Como ainda não estou com um bom ritmo de competição, preferi focar nos 50m. Nadar os 100m e os 200m seria muito para a fase atual. Mas na Superfinal de Belo Horizonte (de 10 a 12 de fevereiro) estarei em todas as provas?, garantiu.

O desafio sueco será o primeiro da temporada, depois de superar o recorde mundial (22s60), em dezembro do passado, no Torneio Open, que aconteceu em Santos (SP). Na ocasião, ele superou o recorde do campeão olímpico norte-americano Ian Crocker, que era de 22s71, conquistado no Mundial de Indianápolis-2003.

As etapas da Copa do Mundo servem como preparação para o Campeonato Mundial da China, também em piscina curta, que será disputada de 5 a 9 de abril, em Xangai. Por isso, Kaio quer iniciar o ano comendo pelas beiradas.

?Temos que trabalhar por etapa para não atrapalhar o planejamento. Vamos para Estocolmo com a mesma determinação de sempre, na tentativa de buscar mais um resultado positivo para a natação brasileira e paraibana?, comentou.

Negreiros

O carioca Armando Negreiros está treinando pesado para tentar repetir o bom desempenho da temporada passada, quando ganhou duas medalhas de prata e uma de bronze na Copa do Mundo e ainda bateu o recorde sul-americano dos 400m livre, que pertencia a Cristiano Michelena há 15 anos.

Conrado Chede, que tem índice para nadar os 1500m livre em Xangai, disse que o treinamento livrou por pouco as festas de final de ano. ?Estamos num ritmo pesado. Só parei três dias no natal e três no revéillon. Mas a Copa é superimportante para ver o pessoal lá fora, saber como estão e principalmente ganhar experiência antes de um Mundial?, disse.