Weggis – Kaká agradeceu o interesse do Real  Madrid ontem, em Weggis. Ressaltou que seria uma honra jogar em um clube tão importante como o Real, mas alerta que seu foco está direcionado à Copa do Mundo. Depois do mundial, aí sim cuidará do futuro. Em nenhum momento, porém, garantiu que permanecerá no Milan após o mundial.

Diplomático, como exige a ocasião, Kaká não quis estender-se no assunto de sua eventual transferência ao clube espanhol. ?Fico feliz com toda essa especulação sobre o interesse do Real Madrid. É uma honra. Trata-se de um grande clube, mas estou focado na Copa do Mundo e não quero pensar no meu futuro agora?, revelou Kaká ontem, no hotel da concentração da seleção.

O meia do Milan não confirmou a sondagem que Ramón Calderón, candidato à presidência do Real Madrid, teria feito a seu pai e agente, Bosco Izecson Pereira Leite. ?Meu pai não está conversando com ninguém. Ele me disse que não recebeu nenhum tipo de proposta do Real.?

Rebaixamento

Bosco deve ser procurado por agentes ligados a Calderón antes da estréia do Brasil no mundial. O interesse de Calderón em Kaká é serio e, garantem fontes espanholas, caminha muito bem.

A saída de Kaká do Milan pode ser antecipada caso se confirmem os rumores de ontem na Itália, de que o Milan corre o risco de ser rebaixado à segunda divisão, assim como a Juventus, por suposto envolvimento no escândalo de corrupção que varre o futebol italiano.

Experiência

Diferentemente de 2002, quando não passava do caçula do time do Brasil, nesta Copa que se avizinha, Kaká tem tudo para ser um dos pilares da seleção. Conta a seu favor a experiência acumulada nas duas temporadas no futebol italiano e um mundial nas costas.

?Hoje estou mais maduro, mais experiente no jeito de olhar o jogo dentro do campo. Em 2002, acabava de surgir no São Paulo, tinha só três meses de seleção. Era de muita explosão, toda hora queria partir para cima. Hoje, não.

Sei a hora que tenho de partir para o ataque, a hora de segurar a bola, ajudar na marcação. Isso é maturidade.?