A equipe do São José dos Pinhais/Keltek tem novidade para o restante do campeonato nacional de basquete masculino. Depois de largar na competição com três derrotas, se recuperar e somar as duas primeiras vitórias, em seus domínios, o time recebeu na última quinta-feira um reforço de peso: Hugo Cabrera. E não se trata de jogador experiente ou revelação. É o novo treinador da equipe, cujo foco segue sendo encerrar a fase classificatória entre os oito melhores do campeonato, e assim avançar às quartas-de-final do certame.

Hugo foi o responsável por dirigir a PetroCrystal, equipe que deu origem ao time de São José, e campeão paranaense na temporada 2004. Ou seja, foi o comandante da equipe no ano passado, a qual garantiu vaga no nacional. Natural de Porto Rico, Hugo Cabrera tem uma relação antiga com o basquete brasileiro: ele foi jogador do Vasco da Gama e do Flamengo (ambos do Rio de Janeiro), com passagem ainda pelo Minas Tênis Clube, de Belo Horizonte, na década de 80. "Passei pelo basquete brasileiro entre 1980 e 1986. Foi ali que nasceu a relação com o Brasil, país que considero minha segunda pátria", revelou o treinador.

Para aceitar o convite do amigo Manuel Cevallos (dono da equipe joseense), Hugo deve pedir demissão do cargo de coordenador de esporte da Miami Killian, uma escola secundária da Flórida, na qual era empregado até a semana passada. Segundo Cabrera, ele ainda não rompeu o vínculo com a escola nos Estados Unidos, mas o fará em breve.

"Tenho que escolher entre aqui e o meu emprego nos Estados Unidos. Mas como minha relação de amizade com o Manuel é muito forte, estou decidido a ficar. Mesmo que isso signifique optar entre o meu emprego lá e o cargo de treinador aqui", explicou Cabrera, para quem o desafio de comandar uma equipe profissional é muito melhor para ele.

Manuel conheceu Hugo quando o treinador comandou o time de basquete da Miami Killian. Um dos seus atletas, era Manuel Fernando Ceval-los Filho, filho do dono do time de São José.

Avaliação

Como chegou apenas há dois dias, Hugo Cabrera acha que teve pouco tempo para analisar o desempenho da equipe. O time foi liberado após o treino de ontem e só volta a treinar na segunda-feira. "Sei o significado do Carnaval para os brasileiros, por isso optamos por dar-lhes folga", pondera o treinador, lembrando que as duas vitórias pesaram na decisão de liberar a equipe para "meio carnaval".

Quanto ao futuro, Cabrera revela que sua intenção é ter um longo vínculo com o clube. "Mas sei que dependo de resultados", analisa, realista.

Rosa promete reerguer basquete

Um compromisso de reerguer o basquete no Paraná. Com esse objetivo, Amarildo Rosa assumiu na última terça-feira a Federação Paranaense da modalidade. Preocupado com o que encontrou, o dirigente revela que está cheio de planos para sua gestão à frente da FPB.

"Fiquei empolgado, pois em conversa com o Gomyde (Ricardo), ele afirmou que a Paraná Esporte seria parceira, desde que eu apresentasse propostas concretas", revelou Rosa, ontem, em São José dos Pinhais, após a coletiva de apresentação de Hugo Cabrera.

Segundo Amarildo, são três as propostas: implantar um programa para impulsionar o basket street (basquete de rua), usando como exemplo o projeto da Espanha, que conta com 4 milhões de praticantes; recuperar a entidade, física e financeiramente; e implantar núcleos do projeto de massificação do esporte em pelo menos dez municípios ainda em 2005.