De olho na sequência da temporada com a disputa de três competições – Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana -, o Fluminense acertou a contratação do atacante Kelvin, de 25 anos, que já defendeu o Vasco. Nesta terça-feira, o jogador foi apresentado no CT Pedro Antônio, no Rio de Janeiro, e agradeceu muito a oportunidade dada pelo clube tricolor, já que vem de um período de lesões e problemas físicos.

Em 2017, quando estava no Vasco, Kelvin sofreu uma grave lesão no joelho. Neste novo capítulo de sua carreira, tratou de tranquilizar a todos no Fluminense. “Tive uma lesão muito complicada em 2017 e fiquei 11 meses parado. Voltei em maio do ano passado. Mas estou 100%, joguei no Vasco. Não tive o rendimento esperado, mas estou com a cabeça boa. Tenho algumas coisas para fazer ainda, mas está indo tudo certo. Minha parte física está 100%)”, declarou.

“É o maior desafio da minha carreira. Tive a lesão, mas antes fiz bons jogos em outros clubes. Fui bem no Porto, no Vasco… Mas o meu futebol deu uma caída. Eu sinto que preciso recuperar o meu futebol, posso dar mais. Não estou no Fluminense porque fiz um belo ano, mas porque confiaram em mim. E preciso corresponder em campo a essa confiança”, disse Kelvin, que mostrou sinceridade ao falar de seu momento.

O atacante tratou logo de elogiar o técnico Fernando Diniz. “Já acompanho o Fluminense desde o ano passado, já joguei contra. O Fernando Diniz tem um estilo diferente, é um treinador moderno, inova bastante e quem tem a ganhar é a gente, com coisas novas, sai da mesmice e o grupo todo comprando a ideia, quem tem a ganhar é o Fluminense”, avaliou.

“Sou um jogador de beirada de campo, atacante que joga pelas beiradas, mas que também cai pelo meio. Sou um jogador rápido, habilidoso e que se a bola sobrar, espero fazer gols ou dar assistências. Vou procurar fazer o meu melhor no ataque para que saiam os gols”, concluiu Kelvin.