Se a cidade de Paulista faz festa para Rivaldo, em outro ponto distante no Brasil, a cidade de Uraí – interior do Paraná – também se orgulha de marcar presença na final da Copa do Mundo. Seu filho mais famoso, o meia Kléberson (do Atlético Paranaense), mostrou a mesma personalidade com que chegou ao Furacão e três anos após deixar Uraí, chega à final da Copa do Mundo, ao lado das maiores estrelas do futebol mundial.

Um dos destaques da partida contra a Turquia, Kléberson deixou o campo aos 40 minutos do segundo tempo com fortes cãibras, fruto de sua raça mostrada dentro em campo. “Corri bastante e estou muito feliz. É a cãibra mais gostosa que senti na minha vida”, brincou Kléberson.

Nada que tenha surpreendido o técnico do Atlético, Riva Carli. “Não foi a melhor partida dele, mas de muita disciplina tática”, analisa o treinador. Para ele, essa é a maior virtude do Xaropinho e o causador das cãibras. “Ele jogou forte o tempo todo e por isso sentiu as duas pernas”, aponta. Riva só lamenta o gol perdido por seu pupilo. “Ele não tinha outra opção já que o zagueiro vinha entrando de carrinho ao seu lado. Para acertar, só se ele pegasse na ‘orelha’ da bola e enganasse o goleiro”, comenta.

Agora, o jogador aguarda com confiança o jogo de domingo, frente à Alemanha, e aproveitará as folgas da concentração para outra atividade que se dedica fora dos campos, seu curso de Inglês. “Preciso estudar bastante, pois o Inglês é essencial para qualquer pessoa que deseja progredir na vida”, ensina. Além da sonho de jogar num Mundial, Kléberson está aproveitando a competição como ninguém para aparecer para o mundo. Clubes europeus, como o Milan e o Valencia, já disputam o futebol do garoto do interior do Paraná