O alemão Jurgen Klinsmann foi confirmado nesta sexta-feira pela U.S. Soccer, entidade responsável pelo futebol nos Estados Unidos, como novo técnico da seleção norte-americana. Ele chega para assumir o lugar de Bob Bradley, que estava no cargo desde 2007 e acaba de ser demitido. O ex-atacante é o primeiro estrangeiro a comandar a equipe desde Bora Milutinovic, que ficou na função entre 1991 e 1995.

“Estou orgulhoso e honrado por ser nomeado o técnico da seleção norte-americana de futebol. Eu gostaria de agradecer à U.S. Soccer pela oportunidade, e estou animado pelo desafio. Estou ansioso para estrear diante do México e para buscar nossa vaga na Copa do Mundo de 2014” declarou o treinador, que fará sua estreia no dia 10 de agosto, diante do México, na Filadélfia.

Klinsmann era um sonho antigo da seleção norte-americana. Logo após a Copa do Mundo de 2006, seu nome foi cogitado, mas descartado. No ano passado, novamente o alemão apareceu como possível substituto de Bob Bradley, mas o norte-americano teve seu contrato renovado. Por viver na Califórnia, o ex-atacante acompanha o futebol local e não terá a necessidade de locomoção.

O treinador estreou na profissão já com um grande desafio. Ele assumiu a seleção alemã em 2005 e liderou a equipe em uma boa campanha na Copa do Mundo de 2006, quando terminou com a terceira colocação, atuando em casa. No total, foram 34 partidas à frente da Alemanha, com 20 vitórias e seis derrotas.

Apesar do bom desempenho, Klinsmann acabou substituído por seu auxiliar, Joachim Low, e só voltou a trabalhar em 2008, quando assumiu o Bayern de Munique. Em uma temporada, conseguiu levar a equipe às quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, mas ficou sem o título alemão. Ao fim do campeonato, acabou deixando o clube, encerrando aquele que foi o seu último trabalho.

Mas Klinsmann é conhecido mesmo por sua carreira como jogador. Ele é um dos maiores atacantes da história do futebol alemão e foi campeão da Copa do Mundo de 1990 e da Eurocopa de 1996. Em 17 anos de carreira, nos quais atuou por Stuttgart, Inter de Milão, Bayern de Munique, entre outros, foi convocado 108 vezes para a seleção, marcando 47 gols.