A nadadora Laura Azevedo, que faria parte da equipe brasileira que vai ao Pan-Americano de Santo Domingo em agosto, pega no antidoping, revelou que o exame positivo foi resultado de um remédio que havia tomado para interromper o seu ciclo menstrual.

“Tinha um problema sério. Chegava a desmaiar de dor por causa das constantes cólicas. Então resolvi procurar um médico para me tratar”, disse Laura, que está em Coral Springs, nos EUA, onde treina.

Para aliviar os sintomas, a nadadora recebeu orientação de um especialista para tomar um remédio de nome Onplanon. A medicação, segundo ela, faria com sua menstruação fosse interrompida por quase três anos. “Descobri que as substâncias proibidas que apareceram no antidoping estão nesse remédio. Não sabia de nada. E isso não mudou meu desempenho. Nem fiz meus melhores tempos no Troféu Brasil”, lamentou Laura, que soube da notícia na manhã de segunda-feira e já preparou a sua defesa. Seu pai foi ontem até a sede da CBDA, no Rio, acompanhado de um advogado para tentar reverter a suspensão.