Aposta da diretoria atleticana por um time mais ofensivo, Leandro Niehues estreia hoje, às 15h30, como treinador do Furacão. Diante do Iraty, no Estádio Emílio Gomes, o jovem comandante tem em mãos a missão de não apenas vencer. Precisa convencer e fazer com que o Rubro-Negro volte a se impor diante dos adversários.

Como munição para o triunfo, Niehues aposta em uma mudança tática. O Furacão voltará a jogar no 3-5-2, esquema utilizado pelo treinador quando foi vice-campeão estadual, com o J. Malucelli, em 2009.

Assim sendo, Netinho vai jogar ao lado de Paulo Baier, que terá toda liberdade do mundo para fazer o que sabe. “Vou trabalhar mais a posse de bola, além de ter um maior poder de saída pro jogo”, disse o ídolo atleticano.

Atuando assim, o treinador preferiu recuar Chico e escalá-lo como um terceiro zagueiro. O volante vai compor o trio de zaga, atuando um pouco mais avançado em relação aos companheiros Manoel e Rhodolfo.

Conforme explicou Leandro Niehues, “Rhodolfo entra em campo com a função de ser líbero, tendo em vista que é um jogador inteligente e que tem boa postura dentro de campo”.

Questionado sobre a formação ofensiva de sua equipe, Leandro afirmou que a principal tarefa é tranquilizar a parte de trás – para que o fluxo de jogo comece ali.

“A zaga precisa ter consistência, pois é no setor defensivo que se começa a organizar as jogadas”, explicou.

De olho no adversário, Niehues explicou um pouco do que estudou sobre o Iraty.

“Por ser um time que marca em cima, mas deixa jogar, geralmente eles fazem jogos com muitos gols”.

Debutando

Quem ganha vaga no time atleticano com a chegada de Leandro Niehues é o volante Deivid. Apesar de escalado na ala direita, o atleta está contente. Afinal, pela primeira vez o garoto de 21 anos vai jogar entre os titulares do Furacão. “O que importa é entrar e ajudar. Quando era júnior, já joguei uma partida na posição”, disse.

Deivid conheceu o treinador nos seus tempos de PSTC. Esteve por lá entre 2003 e 2005, antes de receber o convite para ingressar nas categorias de base do Atlético, onde também trabalhou com Niehues.

Com o entrosamento de quem há tempos convive com o treinador, o atleta resumiu quais as solicitações recebidas: terá a missão de dialogar constantemente com o volante Valencia. “Só pra ter um acordo. Quando ele subir, eu fico”.