São Paulo – Leão quer saber com quem pode contar para salvar o  time do rebaixamento.

O técnico avisou: vai tirar do grupo os covardes e os ?traíras? -jogadores que, na gíria futebolística, só pensam em receber salário, não se empenham em resolver a crise que domina o clube e pouco se importam com a humilhação de eventual descenso.

No Maracanã, após derrota por 3 a 0 para o Flamengo, o técnico chegou a discutir com repórteres, quando lhe perguntaram se havia jogadores que atuavam com má vontade para tirá-lo do comando. Irritado, disse não acreditar em boicote.

Restam apenas 9 partidas para o fim da competição. Para afastar o risco de queda, a equipe precisará de, no mínimo, 5 vitórias. Antes das contas, porém, Leão quer saber quem está realmente a seu lado – e, principalmente, quem trabalha contra. ?A hora é de ficar com quem tem caráter, dedicação e vontade?, falou. ?Alguém vai pagar por isso?.

O treinador conversou, ontem, durante bom tempo com o presidente Alberto Dualib. Outra vez, Leão foi poupado. Toda a culpa pelos fracassos ficou com os atletas.

O comandante recebeu da diretoria a permissão de tirar do time quem quiser. Não importa se o jogador for desvalorizado. Nomes importantes do elenco correm sério risco de perder a vaga de titular e, até mesmo, de afastamento definitivo, como Roger, Gustavo Nery, César, Coelho, Rafael Moura, Sebá, Rosinei e Amoroso.

Peneirada será ?olho no olho?

São Paulo – A peneira de Leão será feita ?olho no olho?, como gosta de falar. O técnico conversará com cada um dos atletas corintianos. A insegurança já domina os jogadores – principalmente depois que todos souberam das acusações disparadas pelos líderes do elenco.

Magrão foi o que mais se irritou. E acusou. ?Essa situação não pode continuar. É preciso ser homem para jogar no Corinthians?, desabafou. ?Está faltando reação, vontade. Não vou falar os nomes porque não sou do tipo de jogador que sai apontando colegas.? Marcelo Mattos também não deixou por menos. Ainda no intervalo do confronto com o Flamengo, foi duro: ?Tem gente sem vontade?, disparou

Leão segue tendo o apoio do torcedor – pelo menos das uniformizadas – para tomar decisões. A Gaviões da Fiel, principal organizada, promete paz, por entender que atitudes drásticas atrapalhariam mais do que ajudariam o time.

Mas alguns de seus líderes admitem que a ameaça de rebaixamento incomoda. Apesar de sinalizar com trégua, há o temor de que se o time fracassar contra o Cruzeiro, no fim de semana, os protestos deverão ser bem mais pesados.

Sem torcida, sem imprensa

São Paulo – Com medo da presença de jornalistas e torcedores no Parque São Jorge, o técnico Emerson Leão conseguiu fazer com que o elenco do Corinthians viajasse para um período de treinamentos em Jarinu, no interior de São Paulo, logo nas primeiras horas de ontem.

Flagrado na chegada do local para a viagem, Leão se irritou até com a presença de Mauro Naves, da TV Globo, com quem trocou algumas palavras ásperas.

Com o objetivo ao colocar as coisas em ordem no time, que não vence há sete jogos e está na zona de rebaixamento do Brasileiro, Leão até já comandou um treino visando a partida contra o Cruzeiro, no domingo, no Pacaembu. O grupo corintiano continuará em Jarinu até sábado. Os treinamentos só serão abertos para a imprensa hoje e na sexta-feira.

?Grana da MSI é limpa?, diz Dualib

São Paulo – O presidente do Corinthians, Alberto Dualib, depôs ontem na sede da Polícia Federal em São Paulo e deu explicações sobre a parceria com a MSI. Foram mais de três horas de depoimento ao delegado Protógenes Queiroz, em que o dirigente garantiu que o dinheiro usado na administração do futebol corintiano não é ilegal.

Acompanhado do advogado Marco Polo Del Nero, que é presidente da Federação Paulista de Futebol, Dualib chegou à sede da PF pouco antes das 9 horas. Mas seu depoimento só começou por volta das 11 horas, acabando às 14 horas. ?Tudo o que perguntaram eu respondi. De forma alguma o Corinthians está usando dinheiro ilegal?, revelou o presidente corintiano Dualib deixou rapidamente o local e falou pouco sobre o depoimento. Justificou a pressa de sair de lá para poder resolver a situação do meia Carlos Alberto, que foi afastado do elenco pelo técnico Emerson Leão. Ele, no entanto, ainda fez uma promessa aos torcedores. ?O Corinthians não vai cair?, avisou o presidente, apesar de o time estar na zona de rebaixamento do Brasileirão.