O sorteio da Libertadores realizado na quarta-feira fez os times brasileiros conhecerem seus adversários na luta pela conquista continental e também terem uma ideia melhor do quanto terão que encarar de viagem em busca do sonho de ser o melhor time do continente. Em decorrência da disputa da fase preliminar da competição continental, o Corinthians e o Grêmio são os únicos brasileiros que já conhecem todos os seus três primeiros rivais.

A equipe comandada por Fábio Carille vai até Buenos Aires encarar o Independiente e viajatá até Bogotá para enfrentar o Millonarios. O problema será o confronto contra o jovem Deportivo Lara. O time criado em 2009 jogará na cidade de Cabudare, que fica a 260 km de Caracas, capital da Venezuela.

Para chegar na cidade, que tem pouco mais de 76 mil habitantes (segundo dados divulgados em 2011), o Corinthians terá que alugar um avião ou encarar uma maratona, que terá viagens com três aviões e um ônibus. A equipe brasileira precisará se deslocar até Bogotá-COL ou Panamá para chegar em Caracas.

No total, o Corinthians deve enfrentar pouco mais de 20 mil km de viagem ao longo da primeira fase da Libertadores. A Conmebol deve anunciar nos próximos dias a data dos jogos e a partir daí a equipe alvinegra iniciará o trabalho de logística para evitar que o elenco se desgaste ainda mais para as partidas.

Entretanto, a tendência é que, como ocorre de praxe, o time titular seja poupado em partidas pelo Paulistão que antecedem as viagens.

O rival Palmeiras viverá situação parecida com a dos corintianos em termos de deslocamentos longos. No Grupo 8, o time alviverde tem previsão de viajar mais de 12,2 mil km para enfrentar Boca Juniors, na Argentina, Emelec, no Equador, e ainda mais um time que virá da fase preliminar da Libertadores.

Entre os adversários possíveis, os mais próximos estão a 1,1 mil km: o Olímpia e o Guaraní, ambos do Paraguai. Os possíveis rivais mais distantes são Junior Barranquilla, da Colômbia, que faria o time alviverde percorrer 4,9 mil km de ida e volta para o confronto, além do Carabobo, da Venezuela, que demandaria uma viagem de 4,4 mil km. Se um deles for o classificado da fase preliminar para o Grupo 8, o deslocamento total do Palmeiras na fase de grupos pode chegar aos 20 mil km.

DA FALÊNCIA À LIBERTADORES – O Deportivo Lara tem uma história curiosa de altos e baixos. Em 2006 foi criado o Guaros de Lara e três anos depois a equipe já faliu. No dia 2 de julho de 2009, um grupo de antigos dirigentes do Guaros se juntou e formou o Deportivo Lara, que contou com o investimento e apoio de Arid Garcia, empresário do ramo agrícola e que, em setembro deste ano, chegou a ser preso pela Polícia Federal sob a acusação de lavagem de dinheiro em negócio com empresas brasileiras.

Três anos depois, novas dificuldades financeiras e, desta vez, para não falir novamente, a prefeitura intercedeu e salvou o clube, através de investimentos que tem ocorrido até hoje.

Em campo, a equipe venezuelana tem conquistado grandes feitos e conseguiu ser campeão nacional na temporada 2011/2012. O destaque do time é o atacante argentino Lucas Gómez, de 30 anos, goleador do clube nesta temporada.

Embora seja de uma cidade pequena, o Lara atua em um estádio de dar inveja em muitos grandes clubes do Brasil. O Metropolitano de Cabudare tem a capacidade de 45.312 torcedores e a equipe deverá mandar seus jogos em seus domínios.