São Paulo – O péssimo humor, as respostas pela metade e o olhar desconfiado de policial fazendo interrogatório foram embora. Antônio Lopes está sorrindo como nunca no Corinthians. Nem mesmo quando o clube ganhou o título brasileiro, o técnico sorria como agora. O motivo é o ótimo futebol do seu time no Paulista e a perspectiva de ainda melhorar para a Libertadores. Por isso, a partida de hoje, contra o Bragantino, às 18h10, no Pacaembu, é encarada com todo otimismo.

Melhor ataque do Paulista disparado, com 17 gols em seis partidas, o Corinthians quer outra goleada. Com direito a brinde: uma vitória iguala a equipe ao líder e rival Palmeiras, com 15 pontos.

?Nós estamos evoluindo na hora certa. Acabou o rodízio dos jogadores e o time cresceu. E o importante é que, sem euforia, todos sabem do potencial que podem atingir juntos. O ápice que eu projetei era para abril, mas os resultados já estão surgindo agora. Melhor, muito melhor?, resume o agora sorridente Lopes.

Nem as quatro alterações diminuem a confiança corintiana. Betão e Bruno Octávio estão suspensos. Rosinei, contundido. Ratinho, jogando mal, perdeu a posição. Entrarão no time Marinho, Xavier, Carlos Alberto e Coelho.

?As alterações que farei não mudarão a maneira do time jogar. Pelo contrário. O nosso esquema está definido, a forma de atuar, que vem sendo responsável pelas goleadas, não seria afetada. E o mais importante é que estamos goleando times fortes. Não há muito desnível entre as equipes pequenas e as grandes em São Paulo. É o Corinthians que está jogando bem. Os outros grandes estão sofrendo muito para ganhar?, analisa Lopes.

Goleada

O Corinthians se preparou para entrar em campo, ganhar e golear novamente. A estratégia será aproveitar a pressão dos cada vez mais empolgados torcedores no Pacaembu para encurralar o Bragantino.

A ordem é fazer o primeiro gol o mais cedo possível.

?Nosso ataque realmente se encontrou. Nos tempos atuais, conseguir marcar 17 gols em seis partidas e ficar com média próxima de três por jogo é excepcional. E o que mais me anima é que os responsáveis não são apenas o Nilmar e o Tevez, que dividem a artilharia do Paulista com cinco gols. O time todo está ganhando forma e o resultado surge na frente com os gols?, acredita o técnico.

E Carlos Alberto quer um lugar de vez nesse time. Com a contusão de Rosinei, terá pelo menos dez dias para mostrar que merece reaver sua posição. ?Eu não preciso provar nada para ninguém, a não ser para mim mesmo. Já mostrei meu potencial. Estou triste pela contusão muscular do Rosinei, mas vou jogar o meu futebol e provar que o meu estilo casa perfeitamente com o do Ricardinho. Com respeito a todos os meus companheiros, quero entrar para não sair mais?, resume o meia.

Mais ansioso está Xavier. Contratado do Vitória, encara a partida contra o Bragantino de uma maneira desesperada. ?Esse tem de ser o jogo da minha vida. Vou começar como titular do Corinthians. Há muito tempo sonho com isso?, diz o volante, que foi contratado de graça, por empréstimo. O goleiro Marcelo renovou contrato por dois anos. Seu rival chileno Johnny Herrera será apresentado hoje à torcida, no Pacaembu.

Em Jundiaí, jogam Paulista e Marília.

Dualib é reeleito no Corinthians

São Paulo – ?Não disseram que estava internado no hospital todo doente? Estou aqui firme e forte. E presidente de novo?, discursou Alberto Dualib no salão nobre do Corinthians, à 1h15 da madrugada de ontem, depois da confirmação de sua vitória nas eleições do Parque São Jorge.

Por 241 votos contra 44 de Waldemar Pires e 18 nulos e dois brancos, Dualib conseguiu o direito de cumprir seu sétimo mandato como presidente corintiano.

A promessa de guerra nos bastidores valeu muito mais do que a frouxa atuação da oposição corintiana nas urnas. Seis liminares, promessas que oficiais de Justiça iriam fechar o Parque São Jorge e impedir a eleição, ameaça de forte protesto dos torcedores. Dualib e seus assessores conseguiram travar todas as ações que tinham como objetivo cancelar a eleição.

Cinco liminares foram cassadas. O articulador das cassações foi o advogado Heraldo Panhoca, são-paulino fanático e assessor jurídico de Dualib.

A única que não foi cassada obriga o presidente a levar na Justiça a ata da eleição de 2003 porque opositores o acusam de ter deixado votarem conselheiros de mandato vencido.

?Justiça? Você já viu justiça no Brasil? A gente tenta, mas sabe que vai perder. O Dualib só sai daí quando quiser?, dizia, amargurado, Damião Garcia, velho opositor do presidente.

Além de não estar internado no hospital, como a oposição espalhou durante o dia, o octagenário Dualib esnobou: se esbaldou com pizzas após as eleições.