O treino de ontem do Coritiba
foi para adaptação ao Pinheirão.

Passada a ressaca após a perda do título estadual para o Atlético, o Coritiba se volta totalmente para a Copa do Brasil. Amanhã, às 16h, o Coxa enfrenta o Treze da Paraíba, no Pinheirão, pelas oitavas-de-final da competição nacional. E o técnico Antônio Lopes tem problemas para definir a equipe.

Os meias Marquinhos e Rodrigo Batata estão contundidos e desfalcam o Cori. Além deles, Lopes também não contará com o lateral Rafinha, que está no Chile com a seleção brasileira sub-20. O time que entra em campo começou a ser definido ontem à tarde, quando o treinador alviverde comandou um treinamento coletivo no estádio da federação.

Na primeira etapa do treino, Lopes testou uma formação bastante ofensiva, com Negreiros, Marciano e Nunes no ataque, e Jackson no meio-campo. A opção reflete uma preocupação do treinador com o ataque, que teve uma atuação bastante criticada na final do campeonato paranaense. O Coxa precisa vencer por uma boa diferença de gols, para não passar sufoco no jogo de volta, dia 4 de abril, em Campina Grande.

Mas como a Copa do Brasil premia com vantagem a equipe que fizer mais gols na casa do adversário, o Cori não pode descuidar da defesa. Por isso, no segundo tempo do coletivo, Ricardinho entrou no lugar de Marciano, com a equipe voltando ao 4-4-2.

"Posso escalar qualquer uma das formações testadas hoje (ontem). Temos boas opções para substituir os titulares e esperamos que os que entrem correspondam", diz o técnico coxa-branca. A única mudança garantida é a entrada de Jucemar na lateral-direita.

O time que entra em campo contra o Treze só será confirmado amanhã, mas a provável escalação do Coxa é formada por Fernando; Jucemar, Miranda, Nascimento e Rubens Júnior; Márcio Egídio, Capixaba e Jackson; Negreiros (Ricardinho), Marciano e Nunes.

Coxa pede interdição por maus-tratos

O Coritiba apresentou ontem uma queixa ao Tribunal de Justiça Desportiva contra o Atlético, devido aos incidentes ocorridos no Atletiba que decidiu o campeonato estadual. Segundo o advogado do Cori, Fernando Barrionuevo, a queixa tem como base o artigo 211 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva -?deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infra-estrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização?.

Caso seja considerado culpado, o Atlético pode ser condenado a uma multa de R$ 5 mil a R$ 50 mil e interdição do estádio, até a satisfação das exigências que constem da decisão.

Os diretores do Coxa acusam os rubro-negros de terem cortado a luz e o sistema de aquecimento de água do vestiário dos visitantes da Kyocera Arena, além de manter fechada a porta que dá acesso ao campo.

?Além desses problemas, que foram citados no relatório do representante da Federação, relatamos também outros. Funcionários do Coritiba foram desrespeitados e hostilizados pelos seguranças da Arena. Os goleiros Fernando e Douglas tiveram que dar a volta pelo estacionamento para fazer o aquecimento, passando por diversos atleticanos e sofrendo uma situação constrangedora?, acusa Barrionuevo.

O Coritiba quer que a queixa apresentada ontem seja analisada junto com a denúncia que a procuradoria do TJD irá apresentar, com base no relatório do representante da FPF, que acompanha a súmula da partida. Segundo Barrionuevo, o julgamento deve acontecer na semana que vem.