Há poucas semanas, chegou ao fim a punição aos atletas pegos no escândalo de doping que manchou o atletismo brasileiro, há dois anos. Recuperados do baque, os atletas que foram suspensos voltam a trilhar seus caminhos. Nessa sexta-feira, foi a vez de Lucimara Silvestre da Silva, do heptatlo, brilhar no Troféu Brasil. Ela ficou com o ouro ao somar 6.074 pontos, apenas dois a menos do que o seu recorde sul-americano, conquistado no Pan de 2007.

“Estou muito feliz com essa vitória, que dedico a todos que me incentivaram durante esses dois anos. Cheguei a pensar em parar de vez, mas pessoas incríveis como o André Domingos me deram muita força”, disse a atleta de 25 anos, emocionada. “Essas pessoas me ensinaram a não desistir nunca de meus sonhos. Elas estavam certas”, completou. A marca, porém, foi insuficiente para que ela se garantisse no Mundial de Daegu – a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) exigia 6.178 pontos.

Quem também não confirmou índice no Mundial foi o revezamento 4×100 metros. Na prova por equipes, nesta sexta-feira, a vitória ficou com a BM&F Bovespa, que marcou 39s36, abaixo dos 38s54 que garantiriam o Brasil na Coreia do Sul. A FCTE, de Bruno Lins, que foi o vencedor dos 100 metros, ficou apenas em sétimo lugar.

No revezamento feminino, a vitória também ficou com BM&F Bovespa, time de Ana Cláudia Lemos. A equipe de São Caetano do Sul fechou a prova com o tempo de 43s53, muito à frente da Orcampi/Unimed, que ficou com a prata, com 45s03. “Nossa equipe tem as primeiras atletas do ranking brasileiro. Tínhamos a obrigação de ganhar”, resumiu Rosemar Coelho Neto, que abriu o revezamento para o time vencedor.

Nos 800 metros, a vitória foi de Christiane Ritz dos Santos, atleta do Pinheiros, com o tempo de 2min04s40. No peso masculino, o ouro, mais uma vez, foi para Ronald Julião, da BM&F Bovespa. Esta foi a 11ª vitória dele na história do Troféu Brasil: quatro no peso, sete no disco.

Já nos 400 metros, a vitória foi de Anderson Freitas Henrique, que tem apenas 19 anos. Ele completou a prova com o tempo de 45s81, novo recorde brasileiro juvenil. O índice para o Mundial, porém, é de 45s08.

Fábio Gomes da Silva não teve dificuldades para vencer no salto com vara. No seu primeiro salto, passou o sarrafo a 5,40 metros. O medalhista de prata já tinha parado em 5,20 metros. A melhor de Fábio no ano é 5,80 metros – recorde sul-americano. Já nos 100 metros com barreiras, a vitória foi de Maíla Paula Machado, com o tempo de 13s20.

Elisângela Adriano, veterana recordista sul-americana do arremesso de disco – marca atingida em fevereiro – decepcionou e ficou apenas com o bronze no Troféu Brasil, com 55,49 metros. O ouro foi para Fernanda Raquel Borges, com 58,22 metros.