Luiz Gustavo é, provavelmente, o titular menos conhecido do torcedor, mas vai desempenhar, a partir desta quinta-feira, quando a Copa do Mundo será aberta com o duelo contra a Croácia, uma das funções mais importantes da seleção brasileira. Afinal, por ser o primeiro volante do time dirigido pelo técnico Luiz Felipe Scolari, terá que marcar o meia mais criativo de todos os adversários. E ele garante estar pronto para desempenhar a tarefa.

“Não tem jogo fácil, temos que estar preparados para qualquer adversário. Por ser o volante marcação, terei uma missão difícil, de marcar o meia mais criativo. Tento me preparar da melhorar forma para estar bem treinado e focado para fazer bem o meu papel”, disse Luiz Gustavo, que forma a dupla de volantes da seleção com Paulinho, de estilo mais ofensivo.

Assim, será difícil ver o jogador do Wolfsburg no ataque da equipe durante a Copa. Luiz Gustavo revelou, inclusive, que em setembro do ano passado, após fazer um gol na vitória por 6 a 0 sobre a Austrália, em amistoso disputado no Mané Garrincha, foi alvo de brincadeira de Felipão, dizendo-lhe que não precisava fazer mais aquilo.

“Ele me deixa claro a função que preciso fazer em campo, que é a parte defensiva. Quando fiz gol contra a Austrália, ele me disse: ‘Está bom, mas não precisa mais disso. Ele deixa claro, que quer o foco na defesa e isso facilita, porque sei o que fazer”, afirmou.

Após ganhar as suas primeiras oportunidades na seleção em 2012, Luiz Gustavo se firmou na equipe mesmo no ano seguinte, com Felipão. Assim, ele não economizou nos elogios ao treinador e se disse grato pela oportunidade de disputar a Copa em casa pelo Brasil.

“Ele é um treinador que me deu a oportunidade que eu queria, de jogar pela seleção. Não tem preço. Na minha trajetória, sempre quis oportunidades. Quando ele deu, aproveitei. Hoje posso fazer parte de um grupo maravilhoso, que tem uma missão única, de realizar o sonho de milhares de brasileiros. Fico feliz e agradecido pela oportunidade que me deu”, comentou.

Decisivo para o sistema defensivo da seleção, Luiz Gustavo minimizou as críticas que a equipe recebeu do atacante croata Ivica Olic, adversário de estreia na Copa, que declarou enxergar espaços no time dirigido por Felipão. “Temos a melhor zaga do mundo, com David Luiz e Thiago Silva. Estamos muito bem servidos”, disse.

No coletivo da última segunda-feira, Felipão chegou a testar uma formação mais defensiva, com o zagueiro Henrique, atuando como volante, substituindo o meia Oscar. Luiz Gustavo avaliou que essa formação deixa o time mais seguro, mas evitou declarar se é a sua preferência.

“Ele entrou como primeiro volante, eu fui mais pra frente, ao lado do Paulinho, com certeza ficamos mais fortes defensivamente. Foi uma opção do professor. Ele vai decidir, como das outras vezes, o que é melhor para a equipe”, comentou.

Luiz Gustavo, porém, reconheceu que a defesa da seleção pode evoluir e precisa estar sempre atenta para conter os contra-ataques dos adversários. “Acredito que tem tempo pra corrigir e melhorar. Temos procurado aproveitar o tempo de treinos aqui pra corrigir detalhes. Vamos buscar a perfeição. Muitos times jogam no contra-ataque, então todo cuidado é pouco”, alertou.