A primeira vitória do Flamengo sob o comando de Jorginho – 2 a 1 de virada sobre o Bangu, na última quarta-feira – foi muito importante para aliviar a pressão sobre o time e dar tranquilidade para o técnico continuar a realizar observações. Mas mais importante é buscar a classificação para as semifinais da Taça Rio (segundo turno do Campeonato Carioca) e para isso é preciso superar o Audax, neste domingo, às 16 horas, em Moça Bonita, pela quarta rodada.

O triunfo sobre o Bangu valeu mais pelos pontos do que pela apresentação. Deficiências importantes continuaram evidentes, com a ausência de um articulador no meio de campo que pense e distribua o jogo. Carlos Eduardo seria este homem. Mas a maior contratação do clube para a temporada ainda não engrenou. Parece fora de forma e, pior, disperso, desatento, com a cabeça nas nuvens.

“Estamos conversando muito sobre essa questão. O Carlos Eduardo é muito retraído, tímido e vive em seu próprio mundo”, comentou Jorginho, mas com o cuidado de dar confiança ao meia. “Sabemos que é uma figura importante para os nossos objetivos. Ele é um grande jogador, mas perdeu ritmo com as contusões. Temos que colocá-lo mais em campo”.

Mas com a sobrevida no Campeonato Carioca em jogo, Carlos Eduardo deverá voltar para o banco contra o Audax. O jovem Rodolfo, de 19 anos, mostrou muito mais vitalidade e ímpeto contra o time alvirrubro, com direito a seu primeiro gol pelo Flamengo. “O Rodolfo é inteligentíssimo. Precisa aprender a hora de partir para cima e a hora de fazer o passe. Tem extrema qualidade, mas precisa encontrar esse equilíbrio”, ensinou o técnico.

Outra preocupação de Jorginho é em relação a Leonardo Moura. O lateral-direito, de 34 anos, foi poupado na última partida, o que acontecerá com frequência, para que possa ser mais produtivo durante todo o ano. Ele volta ao time, mas o treinador busca alguém para ser seu reserva. O volante Luiz Antonio o rendeu na última quarta, mas mostrou dificuldades na marcação.