Genebra – Depois de muito debate e controvérsias, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, deixa claro que, para ele, Pelé é o melhor jogador do mundo. “O brasileiro Edson Arantes do Nascimento, Pelé, é indiscutivelmente o rei do futebol”, afirmou. Blatter, que sempre tentou evitar dar qualquer opinião sobre o assunto, fez as declarações em uma conferência de imprensa em Genebra organizada para que ele falasse sobre a história do futebol.

Na avaliação do suíço, Pelé “se tornou o rei do futebol” na final do Mundial da Suécia, em 1958, quando o Brasil venceu a seleção local e se tornou pela primeira vez campeão do mundo. “Quem é o artista? Só pode ser um rei e o rei do futebol é Edson Arantes do Nascimento”. Blatter ainda lembrou que Pelé foi o autor de dois gols na vitória do Brasil por 5 x 2.

A controvérsia sobre o melhor jogador do mundo foi criada quando a Fifa realizou, há quatro anos, uma pesquisa na Internet para determinar quem seria o melhor jogador do século XX. A pesquisa popular apontou o argentino Diego Maradona como o melhor, mas Pelé também recebeu o prêmio, já que a Fifa havia criado uma comissão de especialistas para também fazer sua escolha. A polêmica se tornou ainda maior quando, no mês passado o próprio Pelé foi convidado pela Fifa a escolher os melhores jogadores do mundo para comemorar o centenário da entidade.

Clubes

Blatter, que não escondeu a admiração pelo Brasil, ainda aproveitou sua conferência para voltar a criticar “a falta de disciplina” dos cartolas do futebol mundial e, em especial, dos dirigentes dos clubes. “Não há respeito pelo calendário internacional e que foi aprovado em 2000. Se todos respeitassem a agenda, não haveria problema. Mas os clubes estão atuando mais que o previsto em suas ligas e quando a Fifa pede para que liberem jogadores para as seleções, dizem que nós (Fifa) não temos um calendário”, afirmou.

Para Blatter, existe um excesso de transmissão de partidas de clubes pela televisão, o que deve afetar a renda do esporte. “Não é uma surpresa se clubes de alguns países estão sofrendo crises financeiras”, afirmou o presidente da Fifa. Para ele, os clubes que não conseguirem sanear seus problemas devem dar lugar a entidades que possam ser “responsáveis no que se refere ao setor financeiro”.

Critica ainda as federações nacionais por falta de coragem em aplicar sanções contra equipes e lembra que o respeito pelo regulamento se torna difícil em países como a Itália onde “o dono da rede de televisão (Silvio Berlusconi) possui clubes de futebol e ainda é o primeiro-ministro do país”.