O atacante boliviano Marcelo Moreno, do Cruzeiro, pode respirar mais aliviado. Nesta segunda-feira, o artilheiro isolado do Campeonato Brasileiro, com 10 gols, foi absolvido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio, em julgamento por ter dado uma cotovelada no zagueiro Bruno Uvini, do Santos, no duelo entre os clubes no último dia 17, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, pela 15.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Denunciado pela Procuradoria do STJD pelas imagens da TV, já que nem recebeu cartão amarelo no lance que causou uma fratura nos ossos da face de Bruno Uvini, Marcelo Moreno poderia ser punido por até seis partidas. Mas foi absolvido por maioria de votos pela Primeira Comissão Disciplinar.

De acordo com a defesa, o episódio deve ser considerado como uma fatalidade. “O adversário do Santos chegou atrasado e atingiu o jogador. O que houve foi uma fatalidade. Não enxergo o que foi narrado na denúncia. O lance foi absolutamente normal. Não se pode esperar que um atleta que sobe para pegar a bola que faça com os braços retos. Houve um contato físico, mas sem intenção. O jogador do Santos encostou seu rosto no braço de Moreno”, sustentou o advogado do Cruzeiro, Teothônio Chermont Brito.

O relator do processo, o auditor Washington Rodrigues, entendeu que “foi um lance infeliz pela lesão ocasionada ao atleta”, razão pelo qual votou para absolver Marcelo Moreno. Dos cinco auditores presentes, apenas o presidente da comissão, Paulo Valed, divergiu e aplicou um jogo de suspensão ao atacante boliviano.