Foto: Ciciro Back

Suspenso por um jogo, o atacante Marcelo Ramos depende de recurso para poder jogar domingo, na decisão.

Se já estava difícil para o Atlético reverter os dois gols favoráveis ao rival Coritiba no jogo decisivo do próximo domingo, na Arena, a situação piorou ainda mais após a punição imposta pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) a Marcelo Ramos.

Ele foi condenado a um jogo de suspensão e, caso o Atlético não consiga alterar a decisão do judiciário até domingo, o atacante está fora da grande final do campeonato paranaense.

Prejuízo ao Furacão que perde o seu homem-gol e também o jogador com maior experiência do grupo. Essa é mais uma vantagem obtida pelo Coritiba para o clássico decisivo já que o clube fez pressão para que Marcelo fosse julgado antes da finalíssima. Na semana passada, o caso do atacante rubro-negro sequer estava agendado até 5 de maio e o presidente José Roberto Hagebock, inclusive, havia comentado que o referido julgamento poderia demorar a acontecer por causa do congestionamento da pauta do tribunal.

Pressa

O departamento jurídico do Atlético, juntamente com o advogado Domingos Moro, estudam se aceitam a decisão da 3.ª Comissão Disciplinar do TJD ou se entram com o pedido de efeito suspensivo. Esse artifício jurídico suspende a pena até que o recurso seja julgado por instância superior, no caso o Pleno do TJD-PR.

Portanto, o Atlético tem como prazo até amanhã (sexta-feira) para entrar com o recurso. Caso seja aceito, Marcelo Ramos poderá usar a camisa rubro-negra no domingo.

Opções

O Furacão corre contra o tempo para ter o seu matador em campo e assim ampliar a possibilidade de buscar os gols necessários à conquista do título. Caso não seja possível contar com Marcelo, o comandante Ney Franco terá o restante da semana para testar várias formações para enfrentar o Coritiba. Se preferir manter o esquema de jogo atual, o treinador deve optar pela escalação do substituto imediato de área: Pedro Oldoni. Ele atuou em 11 partidas neste campeonato e marcou três gols, dois deles decisivos contra Cianorte e J. Malucelli, ainda na primeira fase.

A outra alternativa seria lançar um ataque mais rápido sem posicionamento fixo. Assim, os pretendentes à nova dupla de ataque são Rogerinho, Wallyson e Willian. Também há possibilidade de algum desses atletas ter a companhia de Netinho, jogando mais à frente. Nessa formatação a briga pela última vaga no time ficaria na ala esquerda entre o volante Léo Medeiros e os laterais de ofício Piauí e Michel, este último com chances remotas por causa das últimas apresentações.

Ney Franco iniciou ontem à tarde os treinamentos táticos no CT do Caju e ganhou mais uma dor de cabeça nesta semana decisiva. Se o técnico tinha em mente divulgar a escalação apenas momentos antes da partida, com mais esse impasse a atitude se faz necessária.