Marcos Aurélio chegou ao Coritiba em junho deste ano, em uma leva de contratações junto com Kléber e Lúcio Flávio, na tentativa de salvar o time da zona de rebaixamento. Até aqui, no entanto, sua contatação não surtiu o efeito esperado, já que ficou muito tempo afastado por lesão. Na derrota para o Galo, por exemplo, o jogador só ficou 45 minutos em campo.O jogador de 31 anos, que assinou contrato com cláusula de produtividade, marcou apenas um gol em 14 jogos em sua segunda passagem pelo Alto da Glória – foram 35 finalizações ao todo. Mesmo com esse retrospecto, ele foi escolhido pelo técnico Ney Franco para iniciar a partida no ataque do Coritiba neste sábado (3) contra o Atlético-MG.

O desempenho seguiu insatisfatório. Desperdiçou uma chance incrível de gol no primeiro tempo e quase não aparecer nas jogadas ofensivas alviverdes. Ainda assim, teve sua escalação defendida pelo técnico.

“O Marcos Aurélio tem um poder de finalização e não me arrependo de ter escolhido ele para começar o jogo. Tivemos acertos e erros. No intervalo, optei pelo Galhardo que entrou bem, mas infelizmente o Atlético teve mais tranquilidade para ampliar o placar, já que estava à frente do marcador”, comentou Ney Franco ao fim da partida.

Na avaliação do técnico, o placar de 3 a 0, não foi justo. “Foi um placar elástico. Nossa equipe jogou no mínimo para fazer o gol. E o terceiro gol aconteceu em um lance onde não houve pênalti”, reclamou, referindo-se à jogada em que Wilson saiu do gol para abafar a jogada de Lucas Pratto, que caiu na área sem contato com o goleiro.

No lance, o arqueiro alviverde recebeu cartão amarelo e está fora da próxima partida, contra o Joinville, no dia 14 de outubro.