São Paulo – As críticas do goleiro Marcos feitas aos companheiros, após o empate com o Gama por 2 a 2, no sábado, provocaram mal-estar no Palmeiras. Ontem, na reapresentação do elenco, o técnico Levir Culpi e alguns jogadores criticaram a atitude do jogador campeão mundial com a seleção brasileira.

“Não gostei, os jogadores têm de se preocupar com os problemas dentro de campo, porque agora tem comando”, declarou Levir. “Temos de conversar sobre os problemas internamente, agora é hora de falar menos e jogar mais.”

Zinho, que não preferiu fazer referência direta a Marcos disse que “não adianta nada sair de campo de cabeça quente falando demais”. E o zagueiro Alexandre observou que declarações públicas só servem para criar problemas.

Marcos havia dito que alguns jogadores não estavam se empenhando e que não tinham “vergonha na cara”. O goleiro foi poupado dos treinos para fazer exames. O jogador vem sentindo, desde a Copa do Mundo, dores na coluna cervical, que afetam seu ombro esquerdo. Dificilmente jogará contra o Internacional, amanhã, em Porto Alegre. Sérgio será o substituto. O volante Flávio, reintegrado no início do semestre, deve ganhar uma chance no meio-de-campo.

Contra a parede

Levir deu, ontem, um ultimato ao meia Lopes. “Ele precisa saber o que quer da vida, se prefere se envolver com o Palmeiras e ajudar o time a sair dessa situação ou não. Se não quiser, é melhor que saia.” Lopes sofreu contusão no tornozelo esquerdo no início do Campeonato Brasileiro e jogou apenas uma partida na competição. Alguns torcedores o acusam de estar fazendo corpo-mole. Ele nega.

Depois de conversar com alguns atletas experientes e com a diretoria, Lopes garantiu que pretende voltar a jogar e, por isso, continuará no elenco, que terá pelo menos 10 jogadores dispensados.