O técnico Mano Menezes voltou a correr risco de ser demitido da seleção brasileira. Hoje acontece uma reunião entre o presidente da CBF, José Maria Marin, o vice, Marco Polo del Nero, e o diretor de seleções da CBF, Andres Sanchez, na sede da Federação Paulista de Futebol. O encontro pode selar a saída do treinador.

Após divergências recentes, Marin estaria disposto a demitir profissionais que sejam ligados ao ex-presidente Ricardo Teixeira, fora da CBF desde março.

A seleção brasileira é uma das poucas áreas da entidade em que o atual presidente e seu vice, Marco Polo Del Nero, ainda não mexeram.

Tanto o diretor de seleções, Andres Sanchez, quanto toda a comissão técnica, foram herdados de Teixeira.

Marin esteve em Buenos Aires na noite de quarta-feira, para o jogo entre Brasil e Argentina, decisão do Superclássico das Américas.

Mas foi embora quando o jogo estava 1 a 1. Não viu a decisão por pênaltis, a vitória do Brasil e a conquista do primeiro título da seleção brasileira em sua gestão.

A atitude contrasta com o que fez na final da Olimpíada de Londres, sua primeira competição no cargo.

Logo após a derrota para o México em Londres-2012, o presidente da CBF foi ao vestiário e fez um discurso de apoio a Mano Menezes e aos jogadores.

Dias depois, em Estocolmo, onde a seleção venceu um amistoso contra a Suécia, Marin fez questão de falar com Mano na frente das câmeras. Apertou-lhe a mão, abraçou-o, deu entrevistas para bancá-lo no cargo.

Há duas semanas, no anúncio das sedes da Copa das Confederações, Marin foi novamente vago ao falar sobre a continuidade de Mano.

“Vamos esperar passar o Natal”, disse, quando questionado sobre o assunto.

Após a vitória nos pênaltis sobre a Argentina, o treinador fez um balanço positivo do ano da seleção -ressaltou o segundo semestre-, mas voltou a falar que “agora é o momento de ter serenidade”.

 

Depois da derrota na decisão da Olimpíada, a seleção colecionou bons resultados. Bateu Suécia, África do Sul, China, Iraque e Japão; empatou com a Colômbia.

 

Nos duelos entre as seleções locais de Brasil e Argentina, os comandados por Mano venceram por 2 a 1 em Goiânia e perderam pelo mesmo placar em Buenos Aires. Mas levaram o título nos penais.

O ano oficialmente acabou para a seleção brasileira, que só volta a jogar no dia 6 de fevereiro de 2013, contra a Inglaterra, em Wembley.

Mano assumiu a seleção depois da Copa do Mundo de 2010 e já comandou a seleção em 40 partidas.