Três anos depois de recusar a convocação de Mano Menezes à seleção brasileira, o lateral-direito Mário Fernandes está de volta à equipe. Agora com 24 anos e no CSKA Moscou, da Rússia, ele garante que não é mais aquele garoto dos tempos de Grêmio, que gostava de sair à noite e não se dedicava como deveria ao futebol. Evangélico, diz que foi a religião que o colocou no caminho certo. E na seleção.

“Mudei muito. Quando jogava no Grêmio, tinha algumas atitudes que não eram certas, queria saber bastante de festa. É claro que eu conseguia jogar, mas não era feliz. Quando fui para Rússia, tive um encontro com Deus e minha vida mudou”, disse o jogador nesta terça-feira, em Pequim, na China, onde a seleção enfrentará a Argentina, sábado, no Ninho do Pássaro.

Mesmo depois de ser duramente criticado por Mano Menezes por não ter se apresentado para disputar o Superclássico das Américas de 2011, Mário Fernandes nunca perdeu a esperança de um dia voltar para a seleção. Mas confessa que não esperava ser convocado agora. “Eu estava em Roma porque a gente ia jogar pela Liga dos Campeões e meu celular começou a tocar. Fui pego de surpresa. Aquilo que aconteceu é passado. Foram problemas que eu tive na época, mas Deus é tão bom comigo que me deu mais uma chance de estar aqui”, afirmou.

O lateral-direito não quis se alongar nas explicações sobre os motivos que o levaram a abrir mão da seleção brasileira, mas mostrou arrependimento pela recusa. “Queria pedir desculpas. Eu errei. Peço perdão a todos, à CBF, por não ter ido naquela época”, disse.

Sábado, contra a Argentina, Mário Fernandes deve começar no banco – Danilo é o mais cotado para ficar com a vaga de titular. Mas, pelas características defensivas e a estatura (tem 1,89 metros e Danilo mede 1,84 metros), o lateral pode ganhar uma chance contra o Japão, dia 14, em Cingapura. “Comecei como zagueiro e depois passei para a lateral. Então, marco mais do que ataco. Hoje em dia, o lateral tem saber marcar e ajudar na frente também.”