A equipe masculina de basquete do Colégio Marista Paranaense, de Curitiba, fez bonito ontem, nas Olimpíadas Colegiais, que estão sendo disputadas em Poços de Caldas (MG). Após vencer as três partidas da primeira fase, os paranaenses enfrentaram o Centro Educacional da Lagoa (RJ), pelas quartas-de-final da competição, e mostraram que têm time para conquistar o título da competição. Contando com a ajuda do gigante pivô Iuri de Grácia, de 2,00m, com 14 anos, o Colégio Marista venceu o CEL por 54 a 45, passando para a semifinal. A disputa pela vaga na final será contra a Escola Homero Alves, de São Paulo, que venceu o Colégio Atual Boa Viagem, de Pernambuco, por 61 a 46. A III etapa das Olimpíadas Colegiais reúne cerca de 2.400 atletas, entre 12 e 14 anos, de 25 estados brasileiros mais o Distrito Federal.

Na primeira fase, o Marista Paranaense não deu chances aos adversários. Derrotou o Marista de Brasília, por 53 a 48, o Dom Bosco (RO), por 71 a 33, e a Escola Aquarela Ensino e Cultura (AP), por 83 a 30. Nas quartas de final, os curitibanos ficaram atrás no marcador durante todo o primeiro tempo, mas souberam impor uma marcação dura aos cariocas para vencer a partida. “O time do Rio é muito bom, mas não arremessa muito bem. Quando nós acertamos a defesa eles não conseguiram mais infiltrar”, disse o treinador Ernani Mendes. “Agora que estamos entre os quatro não custa nada sonhar pela medalha de ouro. Os meninos estão muito motivados”, disse Ernani.

O jogo da equipe de basquete do Marista Paranaense se baseia nos contra-ataques puxados pelo armador Eric Silva e nos rebotes do gigante Iuri. O pivô curitibano só começou a praticar o basquete no ano passado, quando tinha 13 anos, e já é um dos destaques nacionais na sua categoria. “Eu tinha dificuldade no controle de bola, mas agora as coisas estão ficando mais fáceis. O tamanho ajuda bastante”, disse o aluno.

As III Olimpíadas Colegiais são uma ação conjunta do Ministério do Esporte e Turismo e do COB.