Luís Mário ficou chateado,
mas já está tudo em paz.

Há uma expressão popular que diz que mais difícil do que chegar ao topo é se manter nele. Na última quinta-feira, os jogadores do Coritiba sentiram isso de perto.

E olha que a equipe venceu o Guarani por 1 a 0, na estréia do campeonato brasileiro. A torcida alviverde não perdoou a pífia atuação alviverde e sobrou até para o técnico Antônio Lopes, que foi chamado de “burro” ao substituir o atacante Luís Mário pelo meia Rodrigo Batatinha. A torcida até queria o meia, mas reprovou a substituição.

O ensaio de vaias no Couto Pereira foram encaradas com naturalidade pelo elenco. “Não tivemos uma bela atuação. E futebol é paixão, emoção. O torcedor quer vencer sempre com um futebol bonito”, disse o capitão do time, Reginaldo Nascimento.

O goleiro Fernando acredita que até era previsível que isso acontecesse, mas lembrou de um dado interessante. No passado, após sagrar-se campeão estadual invicto, o alviverde só conseguiu vencer na quinta rodada. Nas quatro primeira, somou apenas um ponto. “De certa forma, começamos com o pé direito. É melhor vencer jogando feio do que dar espetáculo e sair de campo derrotado”, acredita. Levando-se em conta a fórmula do campeonato, disputado em pontos corridos, a afirmação do goleiro se encaixa com perfeição. “No ano passado, os pontinhos que perdemos no início fizeram falta lá na frente. Classificamos para a Libertadores em cima da hora.”

Paz

No treinamento de ontem, as atenções se voltaram para o atacante Luís Mário. No ato de substituição por Batatinha, durante a partida contra o Guarani, o jogador saiu bufando do gramado, sem cumprimentar Lopes. Após o jogo, o treinador pôs panos quentes e afirmou que a atitude era normal. “Qual atleta que gosta de ser substituído?”, indagou.

Ontem, Luís Mário respondeu à questão. “A decisão do treinador tem que ser respeitada, mas fiquei chateado. O Sidney, que estava na minha marcação, tinha acabado de ser expulso. Eu teria mais espaço e como fiz um bom primeiro tempo, não pensei que seria o escolhido.” No entanto, Luís fez questão de assegurar: “Está tudo bem. Vamos para o jogo com o Fluminense”.

Alterações para pegar o Fluminense

Sem tempo para lamentações, o Coritiba já tem pela frente mais um adversário. Amanhã, às 16h, no Maracanã, a equipe comandada pelo técnico Antônio Lopes enfrenta o Fluminense, pela segunda rodada do Brasileirão.

O poderio ofensivo do adversário deve ser a grande preocupação do alviverde na busca da primeira vitória fora de casa. Especialmente devido a presença do veterano Romário, que pode decidir o jogo em um toque. “Romário é Romário. Ele é um jogador muito difícil de marcar e temos que entrar ligados”, disse o zagueiro Reginaldo Nascimento, que já ficou no mano a mano com o Baixinho.

O companheiro de zaga Miranda assina embaixo de Nascimento e não esconde a emoção de ter Romário como adversário. “Os zagueiros costumam aparecer quando marcam bem os atacantes. Admiro muito o Romário e enfrentá-lo será ótimo.” Para Miranda, que estreou em campeonatos brasileiros na vitória sobre o Guarani, na quinta-feira, o jogo de amanhã tem mais um gosto especial. “Será minha estréia no Maracanã. Só estive lá de visita, quando jogava pelo juvenil do Paranavaí e fizemos uma excursão. É uma emoção a mais.”

Problemas

Ontem, o treinador não recebeu boas notícias do departamento médico. Para o confronto com o time carioca, o Coritiba não poderá contar com dois titulares: o volante Ataliba e o lateral-direito Jucemar. O primeiro sofreu uma contratura na coxa direita e o último, acusou um problema na região pubiana.

Sem mistérios, Lopes já confirmou o nome dos substitutos. Na meia defensiva, entra Pepo, e na lateral, Tesser. Os dois entraram no decorrer da partida contra o Guarani, mas o treinador não esconde um certo temos em relação a Tesser, mesmo porque Pepo já vinha entrando no decorrer de alguns jogos. “Temo pela falta de ritmo de Tesser. O Jucemar vem jogando há tempo e ele não teve mais oportunidades”, disse. O jogador, que deu um belo chute de fora da área e quase surpreendeu Jean na partida contra o Bugre, garante que compensará a falta de ritmo com garra. “Estou com muita disposição. Não há motivos para preocupações”, assegurou. No ano passado, curiosamente, Tesser teve uma boa oportunidade de mostrar seu futebol no Maracanã, só que contra o Flamengo. Era a estréia coxa no Brasileirão e o jogo terminou empatado. Na ocasião, Tesser teve uma boa atuação e espera repeti-la amanhã. “Estou confiante.”

O time alviverde está confirmado com Fernando; Tesser, Miranda, Reginaldo Nascimento e Ricardinho; Pepo, Márcio Egídio e Capixaba; Luís Mário, Aristizábal e Tuta.