A brasileira Maurren Maggi ficou com a medalha de prata na prova do salto em distância no Mundial Indoor de Atletismo de Valência na Espanha. A saltadora atingiu a marca de 6,89 metros e bateu por dois centímetros seu próprio recorde sul-americano em pista coberta, que havia marcado no mês passado em Stuttgart, na Alemanha

Quem levou o primeiro lugar na competição foi a portuguesa Naide Gomes, que saltou 7 metros exatos. Com 6,88 metros, a russa Irina Simagina levou a medalha de bronze. A outra brasileira na prova, Keila Costa, ficou em sétimo lugar, com 6,48 metros.

Antes de cada salto, Maurren usou as palmas para puxar o apoio da torcida que a acompanhava na Espanha, como faz habitualmente nas competições. Mas não foi tão agressiva na prova: com medo de queimar o salto, o que aconteceu três vezes, a atleta não usou toda a tábua de impulsão na maior parte de suas tentativas na caixa de areia. Sua melhor marca foi na terceira tentativa. Liderou até o quinto salto, quando Naide cravou sua marca vencedora.

Maurren comemorou muito a medalha de prata. "Daria para buscar o ouro, mas fiquei muito feliz com esta prata", disse a atleta, que demonstrou ânimo em reforçar os treinamentos para a disputa da Olimpíada de Pequim, na China, a partir de agosto. "Minha jornada não termina aqui, está só começando", completou.

Além da medalha, Maurren vai engordar sua conta bancária com o prêmio de US$ 20 mil (R$ 34 mil) oferecido pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf) pela medalha de prata, além de R$ 9 mil da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) – R$ 7 mil pelo segundo lugar, mais R$ 2 mil pelo recorde sul-americano.

A medalha de Maurren foi a segunda conquistada pelo Brasil no Mundial Indoor de Valencia. Ontem, a campineira Fabiana Murer já tinha faturado a medalha de bronze no salto com vara, ao marcar 4,70 metros – também novo recorde sul-americano.

Com uma medalha de prata e uma de bronze, o Brasil terminou em 19.º lugar no quadro de medalhas, ao lado da Ucrânia. Mais dois atletas foram a finais: Keila Costa, no salto em distância, e Vicente Lenilson, nos 60 metros rasos. O presidente da CBAt, Roberto Gesta de Melo, saiu satisfeito: "Foi uma de nossas melhores participações em Mundiais Indoor", disse.