Mais de trezentos canoístas de 65 países, entre eles muitos campeões olímpicos como o francês Tony Estanguet e os irmãos eslovacos Peter e Pavol Hochschorner, reúnem-se em Foz do Iguaçu de 19 a 23 de setembro para participar do Campeonato Mundial de Canoagem Slalom, evento válido como classificatória para as Olimpíadas de Pequim e que definirá cerca de 60% das vagas disponíveis para a modalidade.

O Mundial de Slalom será disputado nas categorias K1 masculino e feminino, C1 e C2 masculino, além da disputa por equipes; e todas acontecem no Canal Itaipu, localizado no Parque Piracema da Usina Hidrelétrica de Itaipu, projetado em 2005 para atender o desenvolvimento da canoagem no Brasil e considerado a melhor pista artificial da modalidade na América Latina. "A pista é excelente e será importantíssima para a evolução dos atletas brasileiros que a cada ano estão melhores", disse o bicampeão olímpico no C1 Tony Estanguet que vem se preparando a mais de seis meses para o Mundial.

Já o campeão brasileiro de slalom 17 vezes e participante de duas olimpíadas, o gaúcho Gustavo Selbach, comemora a construção de uma pista de nível internacional no país. "É uma excelente pista para o treinamento. Estou muito entusiasmado com o Canal Itaipu", disse Selbach que terá consigo na delegação brasileira que disputa o Mundial João Vitor Machado e Ricardo Taques no K1; Milene Wolf, Poliana de Paula e Fabíola Fossem de Almeida no K1 Feminino; Filipi Santin, Bruno Machado e Casio Petry no C1; além das duplas Guilherme Salles/Tiago Nicola, Alan Schmidt/Ricardo Pacheco e Casio Petry/Bruno Machado no C2.

Para aumentar ainda mais o grau de dificuldades no Mundial e acirrar as disputas da competição, a direção do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), comprometeu-se em manter o nível de água do reservatório de Itaipu, acima da chamada cota 219. "Tal elevação exigirá esforço redobrado dos atletas, elevando o nível das competições", disse Argos Rodrigues, superintendente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa).

Para o presidente da CBCa, João Tomasini Schwertner, o Mundial de Slalom em Foz tem tudo para entrar na história do esporte brasileiro em resposta aos anseios do Comitê Olímpico Brasileiro e do próprio Ministério do Esporte em sediar os Jogos Olímpicos no Brasil, que recentemente oficializaram a candidatura do Brasil para receber as Olimpíadas de 2016. "Um evento como este sem dúvida entrará para história tanto da cidade de Foz do Iguaçu como para a canoagem brasileira, pois mostraremos a todos que na canoagem o Brasil não fica atrás de nenhum outro país em se tratando de estrutura para sediar um evento de grande porte como este", destacou.

Para tanto, sessenta por cento das vagas – 46 das 70 disponíveis – dos atletas que participarão dos Jogos Olímpicos de Pequim já serão definidas este ano no Canal Itaipu. As demais vagas para as olimpíadas serão disputadas em competições continentais a serem realizadas no primeiro semestre do ano que vem. O torneio continental americano acontecerá em abril, em Charlotte, os Estados Unidos, onde estarão em disputa quatro vagas para Pequim.

O que é canoagem slalom?

O Slalom é praticado em rios com corredeiras, num percurso que varia entre 250 e 400 metros. Através de arames suspensos são penduradas até 25 portas que devem ser ultrapassadas na seqüência numérica e no sentido – a favor e contra a correnteza.

As nomenclaturas C ou K, seguida do número, indica se a embarcação é um caiaque(K) (onde o atleta rema sentado e seu remo possui duas pás) ou uma canoa (C), onde o canoísta compete de joelhos na embarcação e seu remo tem apenas uma pá para a prática da canoagem. O número subseqüente à letra indicativa da categoria indica quantos atletas estão no barco. Por exemplo: o K4 possui quatro atletas no caiaque e o C2, com dois na canoa.

Mais informações nos sites: http://www.foz2007.org.br/
http://www.cbca.org.br e http://www.canoeicf.com