Montevidéu – Gustavo Kuerten já era mesmo de se esperar, especialmente depois de suas boas atuações no US Open, mas a escalação de Flávio Saretta no lugar do número 1 do Brasil, Ricardo Mello, foi surpreendente. O capitão brasileiro, Fernando Meligeni, diz que foi uma opção sua para os jogos de sexta-feira a domingo, pela final do Grupo II da Zona Americana da Copa Davis, diante do Uruguai, em Montevidéu.

?Fiz uma escalação de acordo com as condições que encontramos em Montevidéu?, justificou Meligeni. ?Foi resultado dos treinamentos nestes últimos dias.? O time adversário não assusta muito. O melhor tenista do Uruguai, Marcel Felder, ocupa a posição de número 488 do mundo. O grande teste para o temperamental Flávio Saretta será enfrentar a torcida uruguaia, sempre muito entusiasmada e que entende de tênis. Os dois mil ingressos para o confronto no Carrasco Lawn Tennis já estão esgotados.

A saída de Ricardo Mello do time titular da Davis – depois de ter jogado ao lado de Guga, em Joinville, contra as Antilhas Holandesas – vem numa semana difícil para o jogador. Na segunda-feira, ele perdeu 27 posições no ranking, caindo de 61 para 88. Apesar disso, o tenista manteve a compostura.

?Vim de seis semanas de torneios em quadras rápidas e tanto o Guga como o Saretta parecem estar mais adaptados ao saibro?, disse Ricardo Mello. ?Estou pronto para jogar, mas temos uma equipe com muitas opções e entendo a escolha do Meligeni.?

Para Saretta esta será uma boa oportunidade de mostrar seu bom tênis e ver como anda seu controle emocional numa competição em que a torcida tem participação efetiva. ?Estou superfeliz com esta chance. Sei que todos têm condições de jogar, mas não vejo a hora de chegar sexta-feira para entrar em quadra.?

A definição dos jogos será conhecida hoje, no sorteio marcado para as 12 horas no Carrasco Lawn Tennis. Na sexta-feira, a partir das 14h30, o número 1 de um país enfrenta o dois do outro.