A ginástica rítmica inicia neste sábado, 15, as disputas tanto no conjunto quanto no individual nos Jogos Pan-Americanos, que estão sendo realizados em Guadalajara, no México. Na quinta e na sexta, 13 e 14, foram realizados os treinos oficiais. A partir deste sábado, 15 serão realizadas as disputas, que se estendem até terça-feira, 18.

Toledo terá representante no individual, com Angélica Kvieczynski, 20 anos, da Sadia/Prefeitura de Toledo/Sesi, participando das disputas nos aparelhos arco, bola, maças e fita. Angélica e Natália Gaudio (Escola de Campeãs) são as duas representantes da equipe brasileira individual, sob o comando da técnica Anita Klemann, também treinadora da Sadia/Prefeitura de Toledo/Sesi.

A equipe viajou para o México no último dia 7, participou de um breve período de aclimatação e nos últimos dois dias dos treinos oficiais, visando a participação das disputas a partir deste sábado. Angélica, que participou dos Jogos Pan-Americanos em 2007, no Rio de Janeiro, sendo a caçula da equipe brasileira, quer trazer medalhas para o Brasil.

A atleta passou por um ano de dificuldades e de superação, depois de ter realizado uma cirurgia no joelho no final do ano passado, o que a deixou de fora do Pré-Pan, também realizado no México.

Recuperada, ela participou do Mundial da França, em setembro deste ano, classificando-se como a melhor brasileira na disputa, retornou a Toledo para novos treinos e seguiu posteriormente para o México. Ao longo do ano ela também participou de intercâmbios internacionais, visando o aperfeiçoamento das séries.

“Treinei bastante, estou bem preparada e vou brigar por medalhas”, disse ela, destacando que a experiência de novos treinos e competições nacionais e internacionais a deixaram mais segura com relação ao seu potencial e possibilidade de resultados. Para assegurar medalhas, a atleta terá que vencer as concorrentes do México, Canadá e Estados Unidos, suas principais adversárias.

Campeã Pan-Americana Juvenil, em 2006, na Guatemala, penta-campeã brasileira, seis medalhas de ouro nos Jogos Sul-Americanos de Medellín, em 2010, Angélica quer melhorar o seu desempenho em relação a edição anterior dos Jogos Abertos, no Rio de Janeiro, quando ficou em sexto lugar na classificação individual geral.

A técnica Anita Klemann, que acompanha a ginasta desde os 9 anos de idade, quando ela começou a treinar em Toledo, está confiante. “Ela tem chances de ganhar cinco medalhas e vamos brigar por elas”, disse Anita. A atleta vai disputar medalhas no individual geral e nos aparelhos arco, bola, fita e maças.

Para isso, foram preparadas séries especiais, lapidadas ao longo do ano com pelo menos oito horas diárias de treinos. Em uma delas, a de maças, o jeitinho brasileiro aparece com um samba cantado, em que a atleta mistura exercícios com o gingado brasileiro, dando um valor artístico extra à série.

Atleta da seleção brasileira adulto individual desde 2007 e eleita em 2010 pelo Comitê Olímpico Brasileiro como melhor ginasta do país, Angélica afirma que não tem preferência por uma ou outra série. “Tem dias que vou bem na série de maças, outro no arco. Não tenho preferência por uma ou outra série, mas me identifico com todas. Eu e a Anita definimos as séries, as cores do colan, os exercícios, em conjunto, pois a atleta tem que gostar e se identificar com as séries. Aí os resultados são melhores”, comenta Angélica.

Uma das preocupações das duas é inserir, todos os anos, algo da cultura brasileira em todas as séries, uma forma de divulgar lá fora um pouco do Brasil.