Galvão marcou o segundo do Tricolor.

Com certa tranquilidade e mostrando maior qualidade que o adversário, o Paraná Clube venceu ontem a Ponte Preta por 2 a 0, em pleno estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, deixando, ao menos por enquanto, para o Guarani a lanterna do Campeonato Brasileiro.

Mais que apenas o resultado, o mais importante da partida de ontem foi a atitude demonstrada pelos jogadores paranistas. Partindo para cima e buscando o gol adversário, a equipe não se intimidou mesmo quando ficou com um jogador a menos e manteve a pegada, fazendo por merecer a vitória. Com o resultado, o Paraná subiu para a 22.ª posição, uma acima da que ocupava ao final da última rodada.

O Paraná Clube começou o jogo mostrando personalidade. O Tricolor paranaense entrou concentrado e buscando o ataque. Em poucos minutos, criou alguns lances no campo do adversário, segurando a Ponte Preta no seu campo e imprimindo o seu ritmo de jogo. Aos 11 minutos, no entanto, veio o castigo. Desprotegido em seu setor defensivo, o Paraná sofreria o primeiro contra-ataque rápido da Macaca. Weldon, que já havia deixado para trás o zagueiro João Paulo, foi derrubado pelo lateral Vicente. O árbitro Wilson de Souza Mendonça não teve dúvidas: aplicou a regra e expulsou Vicente, deixando o Tricolor com dez em campo.

Surpreendentemente, no entanto, o time não sentiu o golpe de estar com um a menos. Paulo Campos agiu rápido: sacou Maranhão para recompor o setor esquerdo, e tirou Messias – que acusara uma contusão -, colocando em seu lugar o volante Éverton César.

As peças de reposição se mostraram perfeitas para o modo como a engrenagem foi montada. O Paraná nem parecia ter dez jogando contra onze. Manteve o ritmo, a pegada criando chances de gols. A Macaca teve a primeira chance apenas aos 35 minutos, num chute de longa distância de Romeu, que Flávio foi buscar. Na seqüência, Bill desperdiçou arremate de cabeça.

Mas a pressão paranista foi recompensada no fim do primeiro tempo. Em cobrança de falta sofrida por Canindé, próxima à intermediária, Cristian abriu o placar, ao acertar o canto superior direito de Lauro, que nada pôde fazer, principalmente após Fernando Lombardi tendo passado por cima da bola, sem tocá-la.

No início da etapa final, nova investida paranista resultou no segundo gol. João Paulo viu a escapada de Galvão, que invadiu a área e, na saída desesperada de Lauro, tocou de bico para deixar sua marca – o nono gol do artilheiro tricolor.

Com a vantagem no placar, o Paraná se postou com forte marcação na defesa e meio-campo, aproveitando para explorar contra-ataques.

Desesperada, a Macaca partiu com o que tinha para o ataque. Mas sem qualidade de finalizações ou espírito de equipe, esbarrou nos próprios erros e ainda foi desleal, “baixando a bota” nos adversários. Mas apesar da pressão, foram do Paraná as melhores oportunidades para ampliar, mas todas desperdiçadas.

Marcelo Passos vem aí

O Paraná tenta, pela primeira vez neste segundo turno, uma seqüência de vitórias no Campeonato Brasileiro, e assim deixar a zona de rebaixamento. O próximo jogo será sábado, no Pinheirão, contra o Guarani. Para o meia Cristian, mais que nunca chegou a hora da torcida incentivar a equipe. “O time precisa do apoio da torcida. Olhe o exemplo da Ponte hoje (ontem). O time não estava bem e a torcida começou a vaiar. Daí o time não vai mesmo pra frente e fica nervoso. Por isso acho que a gente tem que ter o apoio da torcida. Errar passes faz parte do jogo e isso eles têm que entender”, pondera o jogador, que foi um dos destaque do Tricolor em campo ontem.

Já o técnico Paulo Campos considera que seus jogadores tiveram um comportamento muito bom na partida do Moisés Lucarelli. “A equipe mostrou coragem e personalidade”, elogiou Campos. Já nos vestiários, torcida recebeu outra boa notícia: o meia Marcelo Passos, que teve boas passagens por Santos, atuou no Japão e Europa e estava no Oriente Médio, foi anunciado como novo reforço para a seqüência do campeonato.

O jogador, que há dois meses não joga, afirmou que estava mantendo a forma no interior paulista. “Vou precisar de no máximo dez dias para entrar em forma e ficar à disposição da comissão técnica”.

CAMPEONATO BRASILEIRO
30.ª rodada
Local: Moisés Lucarelli (Campinas).
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (FIFA-PE).
Assistentes: Erick Bartholomeu Antas e Silva Bandeira (PE) e Irani Pinto da Paz (PE).
Gols: Cristian, aos 41? do 1.º tempo; Galvão, aos 2? do 2.º.
Cartões amarelos: André Cunha, Ângelo, Weldon, Luiz Carlos e Bill
Cartões vermelhos: Vicente e Marcus Vinícius
Público: não divulgado
Renda: não divulgada

Ponte Preta 0x2 Paraná Clube

Ponte Preta
Lauro; André Cunha, Alexandre, Luiz Carlos e Bill; Marcus Vinícius, Romeu (Danilo), Lindomar e Ângelo; Júlio César (Róger) e Weldon. Técnico: Nenê Santana.

Paraná Clube
Flávio; Etto, Fernando Lombardi, João Paulo e Vicente; Messias (Éverton César), Beto, Cristian e Canindé (Marcel); Maranhão (João Vítor) e Galvão. Técnico: Paulo Campos.