Nem o mais otimista torcedor da Ponte Preta acreditava ser possível ver o time vencendo quatro jogos consecutivos no Campeonato Brasileiro. Mas aconteceu, impulsionando a equipe da ameaça de queda para a confortável nona posição, com 40 pontos. Por isso, agora, ninguém duvida que é possível vencer o líder Corinthians, principalmente jogando no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, onde o time conseguiu seus maiores triunfos, neste domingo, às 16 horas, pela 29.ª rodada.

“Passamos a semana toda treinando, sempre reforçando as qualidades técnicas e táticas do adversário. Se conseguir impor nosso ritmo de jogo, tenho certeza de que podemos equilibrar as ações e lutar pela vitória contra eles”, disse o técnico Doriva.

O meia Cristian, poupado de alguns treinos durante a semana, também acredita nisso. Ele treinou quinta e sexta-feira e confirmou que vai para o jogo “com chuva ou com sol”. E alerta que “é preciso marcar bem a saída de bola deles. Se conseguirmos manter a posse de bola, isso vai nos ajudar bastante”.

Mas o meio de campo, setor importante em qualquer time, vai atuar junto pela primeira vez. Normalmente os dois volantes foram Fernando Bob, suspenso com três cartões amarelos, e Josimar, machucado e já afastado do time há três jogos. Elton continua no setor, agora ao lado de Juninho e Cristian, que ganhou a posição de Bady nos últimos jogos.

Se o meio de campo funcionar bem, não há dúvida de que o ataque será bem amparado. Felipe Azevedo, pelo lado direito, e Biro Biro, pelo lado esquerdo, se posicionam um pouco atrás do centroavante Borges. O artilheiro está ansioso para atingir uma marca histórica: o seu 100.º gol em Campeonato Brasileiro na “era dos pontos corridos”. Ele tem 99 e só fica atrás de Paulo Baier, com 106, que disputou a Série C pelo Juventude-RS, e Fred, do Fluminense, com 111 gols.

Para se recuperar na competição, a diretoria trocou o técnico Guto Ferreira, que não vencia há sete jogos, por Doriva, ex-Vasco. Ele chegou, ganhou de Flamengo e do Avaí e depois amargou seis jogos sem vitória. Teve seu pescoço a prêmio, mas depois voltou a vencer. Emplacou quatro vitórias seguidas, duas deles em casa e contra adversários tradicionais: Santos e Fluminense. Fora de casa bateu Goiás e Atlético Paranaense.

A administração do estádio espera por um público em torno de 15 mil torcedores no estádio. Em princípio, foram rapidamente esgotados os 3,5 mil bilhetes colocados à venda para os corintianos e sobraram mais 12 mil para os pontepretanos, que já tinha comprado quase oito mil até sábado pela manhã. Desta vez, para um grande jogo, nem valeu a chiadeira pela majoração de ingressos. A inteira foi de R$ 40 para R$ 100 e a meia de R$ 20 para R$ 50. Mesmo assim a ação de cambistas, nos últimos dias, principalmente nos arredores do estádio, foi o lado sujo deste grande jogo.