Difícil imaginar que o líder do Campeonato Brasileiro, dono do título simbólico do primeiro turno e que tem uma das melhores defesas da competição possa entrar em campo pressionado. Pois é exatamente assim que o Corinthians estará nesta quarta-feira, no jogo diante do Grêmio, a partir das 18 horas, no Pacaembu.

Com uma sequência de duas derrotas, inclusive para o rival Palmeiras no clássico de domingo, e com uma irregular campanha de apenas duas vitórias nos últimos nove jogos, o Corinthians tenta se reequilibrar para evitar que a pressão se torne uma crise. Para isso, é fundamental ganhar do Grêmio nesta quarta-feira, a partir das 18 horas, no Pacaembu.

Na terça-feira, o elenco corintiano teve um indício de que a situação pode ficar realmente ruim caso a equipe volte a tropeçar nesta primeira rodada do segundo turno do Brasileirão. Uma comissão de torcedores esteve no CT do Parque Ecológico, durante o treino da tarde, para uma ter conversa com os jogadores.

O grupo, com 14 membros de torcidas organizadas, queria conversar com representantes do elenco, com o técnico Tite e com o diretor de futebol Duilio Monteiro Alves e o gerente Edu Gaspar. O encontro, no entanto, não aconteceu porque não foi autorizada a entrada de todos os torcedores no CT. Apenas três deles entraram no local, mas só falaram rapidamente com os dois dirigentes.

A maior pressão tem sido em cima do trabalho de Tite, que confirmou ter tido uma reunião com a diretoria do clube na última segunda-feira. Segundo ele, foi para fazer uma avaliação do trabalho feito até agora no Brasileirão. E a conclusão do treinador foi simples: “Não precisa ser tão bom quanto os dez primeiros jogos (quando o Corinthians somou nove vitórias e um empate), mas também não pode ser tão ruim quanto os últimos nove (com apenas duas vitórias)”.